OMS: RD Congo inicia primeiro teste de múltiplos medicamentos contra ebola
BR

26 novembro 2018

Agência colabora com Ministério da Saúde na iniciativa; dados coletados serão padronizados e usados para tirar conclusões sobre segurança e eficácia dos medicamentos.

Um estudo coordenado pela Organização Mundial da Saúde, OMS, em parceria com o Ministério da Saúde da República Democrática do Congo, RD Congo, e outras organizações começou a avaliar a eficácia e segurança dos medicamentos que até agora eram usados no tratamento de pacientes com ebola.

O anúncio foi feito nesta segunda-feira pelo Ministério da Saúde da República Democrática do Congo. Este é o primeiro teste de múltiplos medicamentos para um tratamento contra a doença, segundo a OMS.

O surto atual é o décimo do país e desde o início, em agosto, 308 pessoas foram infetadas e 191 morreram. Foto: Monusco/Alain Coulibaly

Surtos

Com o tempo, isso levará a um acúmulo de evidências que ajudarão a tirar conclusões importantes sobre surtos e medicamentos. O surto atual é o décimo do país e desde o início, em agosto, 308 pessoas foram infectadas e 191 morreram.

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus disse que o foco da agência continua sendo acabar com o atual surto e que esse “é um passo importante para finalmente encontrar um tratamento para o ebola que vai salvar vidas".

Segundo ele, até agora, os pacientes foram tratados com medicamentos que se mostraram promissores e tinham um bom perfil de segurança em condições de laboratório.

No centro do plano de longo prazo e do atual estudo está a meta de garantir que os pacientes com ebola e suas comunidades sejam tratados com respeito e justiça.

Tratamento

Até agora, mais de 160 pacientes foram tratados com terapias experimentais sob uma estrutura desenvolvida pela OMS e especialistas com o nome “Uso Monitorado de Emergência de Intervenções Não Registradas e Investigacionais", Meuri.

O protocolo Meuri não foi projetado para avaliar os remédios. Agora que os protocolos para ensaios estão em vigor, os pacientes receberão tratamentos sob essa estrutura nas instalações onde o teste foi iniciado.

Os dados coletados serão padronizados e usados para tirar conclusões sobre a segurança e a eficácia dos medicamentos.

Acordo

Em outubro, a OMS convocou uma reunião de organizações internacionais, parceiros das Nações Unidas, países em risco de ebola, fabricantes de medicamentos e outros para chegar a um acordo para continuar os testes.

O Ministro da Saúde da RD Congo, Olly Ilunga, disse que "esses testes vão contribuir para a construção desse conhecimento", enquanto continua a resposta em todas as frentes para acabar com o surto atual.

Todos os pacientes devem receber o mais alto nível de atendimento e ter acesso aos medicamentos mais promissores.

 

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

OMS ajuda a vacinar 650 trabalhadores da saúde no Uganda contra o ébola

Pela primeira vez, processo decorre em território sem registo de um único caso da doença; leste da República Democrática do Congo regista o 10º surto que já provocou 209 mortos.

Ebola: resposta na RD Congo tem resultados, mas surto continua perigoso

Subsecretário-geral para as Operações de Manutenção de Paz e diretor-geral da OMS terminaram visita ao país esta quinta-feira; vírus já infetou 308 pessoas e causou 191 mortes no atual surto.