ONU: recifes de coral no mundo enfrentam “futuro extremamente sombrio”
BR

15 novembro 2018

Reunião no Egito pede ações urgentes para travar o problema; situação pode persistir mesmo com níveis de aquecimento global em 1,5º Celsius acima dos níveis pré-industriais, até 90% dos recifes de coral serão perdidos nas próximas décadas.

Representantes de mais de 100 países que fazem parte da Convenção sobre Diversidade Biológica, CDB, estão reunidos até esta quinta-feira em Sharm El Sheikh, no Egito. O objetivo é iniciar um processo de dois anos para adotar uma estrutura global que proteja a biodiversidade, incluindo os recifes de coral.

Os dados mais recentes do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática, Ipcc, estimam que mesmo que as ações necessárias sejam tomadas para manter o aquecimento global em 1,5º Celsius acima dos níveis pré-industriais, 70% a 90% dos corais serão perdidos nas próximas décadas.

Relatório do Ipcc destaca que falta ações em relação à mudança climática. Foto: Dia Mundial dos Oceanos/Gaby Barathieu

Ações Urgentes

Os recifes de coral fornecem alimento e meios de subsistência para centenas de milhares de pessoas no mundo e mais de um quarto da vida marinha depende deles. Esses ecossistemas também fornecem proteção de desastres naturais para comunidades e áreas costeiras. De acordo com a ONU Meio Ambiente, se “ações urgentes não forem tomadas, eles serão perdidos para sempre.”

O encontro anunciará uma nova coalizão formada por organizações de conservação intergovernamentais e internacionais além de fundações privadas. A mensagem do grupo é de que é preciso uma “liderança ousada para salvar os recifes de coral da quase extinção até a metade do século.”

Parceria

Entre a nova parceria estão diversas organizações, incluindo a ONU Meio Ambiente, a Iniciativa Internacional para os Recifes de Coral e o Fundo Mundial para a Natureza, WWF. A coalizão pretende aumentar a consciência sobre a crise dos recifes de coral e apelar para que os governos tomem as medidas necessárias. 

O diretor da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim, disse que “no momento as explosões de cores e vida que ficam no fundo no mar enfrentam um futuro extremamente sombrio, e que as expectativas em relação à coalizão não poderiam ser maiores.” Solheim acrescentou que “a proteção dos recifes de corais precisa se tornar uma prioridade mundial.”

Kadir van Lohuizen/NOOR/ONU Meio Ambiente
Coalizão pretende aumentar consciência sobre crise dos recifes de coral e apelar para que governos tomem medidas necessárias

Ameaças

O relatório do Ipcc destaca que a falta de ações em relação à mudança climática resultará em perdas ainda maiores dos recifes de coral. Porém, a redução de ameaças não climáticas tem o potencial de melhorar a recuperação mais resiliente após impactos como eventos de branqueamento.

Práticas contra estas ameaças também podem ajudar a conservar os ecossistemas na medida em que eles enfrentam um estresse térmico sem precedentes.

De acordo com a ONU Meio Ambiente, a mudança climática não é a única ameaça que os recifes de coral enfrentam. A pesca excessiva, a poluição e o desenvolvimento costeiro também causaram grandes perdas nos últimos 30 anos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Chefe da ONU envia condolências às vítimas dos incêndios florestais na Califórnia

António Guterres disse estar “profundamente triste pela perda de vidas e danos extensivos causados pelos incêndios”; de acordo com agências de notícias, 31 pessoas já teriam morrido e outras 200 continuam desaparecidas.

As razões para proteger o meio ambiente dos efeitos de guerras e conflitos armados

Dia Internacional para Prevenção da Exploração do Meio Ambiente durante Guerra e Conflito chama atenção para a “vítima não divulgada da guerra”.