Pelo menos 3.114 pessoas morreram em rotas migratórias em 2018

2 novembro 2018

Região do Mediterrâneo e fronteira entre Estados Unidos e México são os corredores com mais vítimas; 219 migrantes morreram em outubro; 54 pessoas desapareceram esta semana no Mediterrâneo.

O Projeto de Migrantes Desaparecidos, MMP, da Organização Internacional para a Migração, OIM, calcula que pelo menos 3.114 pessoas morreram ou desapareceram nas rotas migratórias em todo o mundo em 2018.

As regiões do Mediterrâneo, do Oriente Médio, do Norte da África e das Américas estão entre os corredores de migração com mais mortos do planeta. Cada uma com mais de 100 mortes ocorridas este ano.

Na fronteira entre o México e os Estados Unidos morreram 341 pessoas em 2018., by Foto: UNICEF/Adriana Zehbrauskas

Regiões

Só no  corredor do Mediterrâneo, estima-se que tenham morrido até agora 1.987 pessoas.

Já na fronteira entre o México e os Estados Unidos morreram 341 pessoas. Cerca de metade, 166 migrantes, morreram na fronteira com o estado americano do Texas.

No Oriente Médio houve 111 vítimas mortais registradas e na região do leste africano também conhecida como “Corno de África” foram reportadas 156 mortes. 

Em todas estas áreas, baixou o número de mortes em relação a igual período do ano passado.

Mediterrâneo

A OIM também informa que esta semana no Mediterrâneo Ocidental, houve relatos, ainda não confirmados, do desaparecimento de 54 pessoas que deixaram Marrocos a partir do Porto de Bouyafar na quinta-feira da semana passada.

Depois de iniciar chamadas de socorro às autoridades e membros da família a bordo, ainda não se conhece o paradeiro destas pessoas.

Essas vítimas, se confirmadas, subiriam o número total de mortes no Mediterrâneo Ocidental este ano para 618 até 30 de outubro, comparado com 224 óbitos ocorridos nessa rota mais a oeste durante todo o ano de 2017.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud