Chefe da ONU condena tiroteio em sinagoga nos EUA

Guterres disse que a ONU está pronta para ajudar nos trabalhos de busca e resgate, caso seja solicitada.
ONU/Mark Garten
Guterres disse que a ONU está pronta para ajudar nos trabalhos de busca e resgate, caso seja solicitada.

Chefe da ONU condena tiroteio em sinagoga nos EUA

Direitos humanos

Secretário-geral disse que ataque “é uma lembrança dolorosa do continuo antissemitismo”; segundo agências de notícias, pelo menos 11 pessoas morreram e várias ficaram feridas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, está “profundamente chocado” e “condena fortemente” o tiroteio que aconteceu este sábado numa sinagoga na cidade de Pittsburg, nos Estados Unidos.

Em nota publicada pelo seu porta-voz, o chefe da ONU também expressa as suas condolências às famílias das vítimas.

Ataque

Segundo agências de notícias, um homem armado, identificado como Robert D. Bowers, de 46 anos, entrou este sábado na Congregação Tree of Life causando pelo menos 11 mortos e vários feridos, incluindo agentes da polícia.

Guterres disse que o tiroteio “é uma lembrança dolorosa do continuo antissemitismo.”

Segundo ele, “judeus em todo o mundo continuam a ser atacados por nenhuma outra razão além da sua identidade.”

Apelo

O chefe da ONU disse ainda que “antissemitismo é uma ameaça aos valores democráticos e à paz e não deve ter lugar no século 21.”

O secretário-geral também pede uma frente unida, que reúna autoridades a todos os níveis, sociedade civil, líderes religiosos e comunitários e o publico em geral, para combater “as forças do racismo, antissemitismo, intolerância, discriminação e xenofobia que estão ganhando força em muitas partes do mundo. "