ONU declara descida acentuada em número de soldados de paz mortos no Mali

19 outubro 2018

Missão de paz no país foi a mais perigosa para as boinas-azuis em 2017, com 21 mortos; Conselho de Segurança debateu situação maliana com presença de subsecretário-geral para Operações de Manutenção de Paz, Jean-Pierre Lacroix.

O subsecretário-geral para Operações de Manutenção de Paz, Jean-Pierre Lacroix, afirmou esta sexta-feira que nos últimos meses “houve um declínio acentuado no número de soldados de paz mortos ou feridos” no Mali.

Lacroix falava num encontro do Conselho de Segurança, em Nova Iorque, que discutiu a situação no país africano.

Vitimas

Segundo dados do Departamento de Operações de Manutenção de Paz, no ano passado, a Missão das Nações Unidas no Mali, Minusma, registou o maior número de vítimas mortais, com 42 boinas-azuis mortos. Este ano, até este momento, morreram 18.

Lacroix disse que os números mostram “uma tendência encorajadora”, mas que as Nações Unidas se devem manter cautelosas.

Eleições

O representante diz que os últimos meses foram marcados pela realização da eleição presidencial, que “ocorreu em um clima geralmente pacífico”.

Forças da Minusma em Menaka.
ONU/Marco Dormino
Forças da Minusma em Menaka.

Segundo ele, “o bom andamento das eleições demonstrou a maturidade política do povo do Mali, mas também a adesão dos partidos políticos ao processo democrático.”

Lacroix disse que este movimento deve ser acompanhado por mudanças institucionais, como operacionalização das autoridades, reforma constitucional e reforma do setor de segurança.

Segundo ele, o adiamento das eleições parlamentares que estavam agendadas para novembro e dezembro deve criar um clima consensual para algumas destas reformas.

Lacroix disse acreditar que “estas eleições representarão um novo teste para a coesão da classe política e da sociedade malianas e um passo importante para a consolidação das instituições democráticas”.

Mulheres

Lacroix diz que os actores políticos do Mali devem aproveitar a oportunidade para construir um Parlamento mais representativo, promovendo candidaturas de jovens e mulheres.

A este respeito, o subsecretário-geral saudou a composição do novo governo, que, de acordo com a lei do Mali, é composto por mais de 30% de mulheres.

Lacroix também expressou ao Conselho de Segurança a sua “extrema preocupação” com a situação de segurança, especialmente no centro do país.

Segundo o último relatório do secretário-geral, os meses de julho, agosto e setembro foram os  mais letais desde o estabelecimento da Minusma em 2013. Nesse período morreram 287 civis.

Lacroix disse que “esta situação continua a restringir o acesso de agentes humanitários às pessoas mais vulneráveis ​​e a limitar o alcance das intervenções de desenvolvimento.”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud