ONU celebra histórias de sucesso e de respeito dos direitos humanos

A promoção da igualdade de género foi uma das abordagens partilhadas pelos países durante o evento.
ONU Cabo Verde.
A promoção da igualdade de género foi uma das abordagens partilhadas pelos países durante o evento.

ONU celebra histórias de sucesso e de respeito dos direitos humanos

Direitos humanos

Secretário-geral  lembra importância de partilha de experiências; países explicam como direitos humanos promovem democracias e igualdade de género; evento de Alto Nível juntou 14 Estados-membros e União Europeia.

O secretário-geral da ONU abriu o evento de alto nível sobre histórias de sucesso na promoção dos direitos humanos. Numa altura em que se comemoram os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, António Guterres, destacou o “profundo progresso alcançado nas últimas décadas e que continuamos a viver atualmente.”

Partilha

Guterres explica que estas histórias positivas merecem ser partilhadas não só para celebrar as conquistas mas também para “servirem de inspiração em todo o mundo.”

A negação dos direitos humanos é parte do problema enquanto que a sua  promoção faz parte da solução, defendeu o líder da ONU. O representante  considera ainda que os direitos humanos são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades, para o empoderamento das mulheres e para a prevenção de conflitos.

Gâmbia, Geórgia, Indonésia, Coreia do Sul e Chile foram alguns dos países que partilharam histórias de sucesso sobre a promoção dos direitos humanos.

Estas histórias positivas merecem ser partilhadas não só para celebrar as conquistas mas também para servirem de inspiração em todo o mundo.

Dimensões

O fortalecimento dos sistemas democráticos, a promoção dos direitos dos presidiários e a igualdade de género foram algumas das abordagens analisadas.

Guterres reiterou a ideia de que os direitos humanos pertencem a todos e são universais, por isso, as histórias partilhadas pelos diferentes países lembram-nos as suas dimensões: civil, económica, política e cultural e como “são indivisíveis.”

No evento organizado pela União Europeia, Guterres terminou a sua intervenção com a mensagem de que os Direitos Humanos “alargam os horizontes da esperança, pressionam as fronteiras do possível, evocam o melhor de nós e promovem o melhor das sociedades.”