Consumo nocivo do álcool matou 3 milhões de pessoas em 2016 BR

Vinho de palma, vendido nas ruas de Timor-Leste.
Irin/Meagan Weymes
Vinho de palma, vendido nas ruas de Timor-Leste.

Consumo nocivo do álcool matou 3 milhões de pessoas em 2016

Assuntos da ONU

Entre lusófonos, consumo de álcool em maiores de 15 anos é maior em Portugal, Brasil e Angola; OMS lança estudo que recomenda mais ações para evitar ameaça ao desenvolvimento de sociedades saudáveis.

Mais de 3 milhões de pessoas morreram devido ao uso nocivo de álcool em 2016, segundo a Organização Mundial da Saúde, OMS.

Em estudo lançado esta sexta-feira, em Genebra, a agência destaca que o álcool causa por ano uma em cada 20 mortes. Mais de três quartos dos óbitos ocorreram entre os homens.

Homem embriagada dorme num banco na Rússia.
Homem embriagada dorme num banco na Rússia. , by OMS/Sergey Volkov

Países de Língua Portuguesa

Segundo o relatório Estado Global sobre Álcool e Saúde de 2018, de forma geral o uso nocivo do álcool é mais de 5% dos encargos causados pelas doenças a nível global.

Entre os países lusófonos, Portugal é o Estado onde se consome mais álcool pelas pessoas com mais de 15 anos. Cada pessoa desse grupo consome em média 12,9 litros por ano.

No Brasil bebe-se 8,7 litros de álcool, em Angola 7,5 litros, em São Tome e Príncipe 7,1 litros e em Cabo Verde 6,6 litros. A seguir estão Guiné-Bissau com 4 litros, Moçambique com 2,3 litros e Timor-Leste com 0,6 litros por ano.

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, disse que muitas pessoas, suas famílias e comunidades sofrem as consequências do uso nocivo do álcool que incluem violência, ferimentos, problemas de saúde mental e doenças cancerígenas e derrames.

Grave Ameaça

Para o representante, é hora de intensificar as ações para evitar essa “grave ameaça ao desenvolvimento de sociedades saudáveis”.

Em todo o mundo, 28% das mortes devido álcool foram causadas por ferimentos provocados por acidentes de trânsito, autoflagelação e violência entre pessoas.

Cerca de 21% das pessoas perderam a vida devido a problemas digestivos e 19% por doenças cardiovasculares. A parte restante deveu-se a doenças infecciosas, cancerígenas, transtornos mentais e outras condições.

A nível global, 237 milhões de homens e 46 milhões de mulheres sofrem de perturbações associadas ao consumo de álcool.

Alta Renda

A Europa destaca-se com uma prevalência do consumo de alcool de 14,8% em homens e 3,5% em mulheres. A seguir vem a região das Américas, com 11,5% e 5,1%, respetivamente.

O relatório destaca ainda que os transtornos causados pelo uso de álcool são mais frequentes em países de alta renda. Na próxima década, a previsão é que as pessoas que consomem álcool ultrapassem os 2,3 bilhões.

Cerca de 45% do álcool é consumido em forma de bebidas espitituosas. A cerveja é a segunda bebida mais consumida, com 34%, seguida pelo vinho com 12%.