ONU marca Dia Internacional da Caridade mobilizando ação para a Agenda 2030
BR

5 setembro 2018

Data, marcada neste 5 de setembro, é oportunidade de promover alívio para os piores efeitos das crises humanitárias, gerar serviços de saúde, educação e moradia e proteção a crianças.

As Nações Unidas celebram neste 5 de setembro o Dia Internacional da Caridade. A data coincide com o aniversário de morte de Madre Teresa de Calcutá, que recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1979.

Para as Nações Unidas, a caridade funciona como uma força de mobilização na implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs.

Seis áreas

Os ODSs, que são parte da Agenda 2030, reconhecem a erradicação da pobreza como o maior desafio global e um requisito indispensável para o desenvolvimento sustentável.

Os Objetivos podem ser agrupados em cinco áreas: pessoas, planeta, prosperidade, paz e parcerias.

Segundo a ONU, os conceitos de caridade como o de voluntariado e filantropia ajudam na criação de sociedades mais inclusivas e mais resilientes.

O Dia Internacional da Caridade foi estabelecido para conscientizar povos, organizações não-governamentais e vários grupos ao redor do mundo para a importância de atividades voluntárias e filantrópicas.

O Dia é também uma oportunidade de promover mais engajamento da sociedade civil que leve ao desenvolvimento sustentável

Pobres e doentes

Uma das formas é a eliminação de barreiras culturais e sociais para criação de coesão.

Uma outra forma é a construção de resiliência através de ação comunitária, aumentando o senso de responsabilidade do cidadão para com sua área, além do aumento da confiança entres grupos diversos.

Ao relembrar o falecimento de Madre Teresa de Calcutá, em 5 de setembro de 1987, a data também destaca o trabalho dela de 45 anos com os pobres, os doentes, órfãos e as pessoas à beira da morte, ao mesmo tempo em que ela dirigia a expansão da tarefa dos Missionários da Caridade, primeiramente na Índia, e depois em outros países.