Enviado da ONU para Síria diz que ainda é tempo de evitar pior cenário em Idlib

30 agosto 2018

Staffan de Mistura falou a jornalista, em Genebra, e reiterou preocupação do  secretário-geral com possível risco de uma catástrofe humanitária na província síria, em caso de uma ofensiva militar em ampla escala no local.

O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, disse esta quinta-feira que a Turquia e a Rússia estão a tentar evitar uma ação militar na cidade de Idlib, no norte da Síria.

Falando aos jornalistas, em Genebra, ele afirmou que “não tem nenhuma informação específica sobre um ataque iminente, mas que tem informações sobre preparações, escaladas, mensagens e declarações” de uma possível ação.

Escalada

Referindo-se a uma escalada nos últimos dias, de Mistura perguntou “por que tanta pressa e não dar mais tempo para discussões.” Segundo ele, os participantes do processo de Astana, que busca uma solução para o conflito sírio, têm um papel a desempenhar.

De Mistura mostrou-se, no entanto, otimista, dizendo que duas partes envolvidas no conflito, Turquia e Rússia, estão nesta quinta-feira “a tentar, e há esperança de que vão conseguir, evitar o pior cenário.”

O enviado especial explicou que “é preciso manter a pressão moral para que não se caminhe para uma solução militar drástica.” Segundo ele, “é preciso dar tempo para uma fórmula mais sustentável, que combata terroristas mas também salve a população.”

Enviado espacial da ONU para a Síria, Staffand de Mistura. by ONU/Violaine Martin

De Mistura alertou para os perigos de uma ação militar, dizendo que as pessoas não têm onde se abrigar. Ele explicou que, “até agora, sempre que havia uma crise e ela terminava, havia um sítio aonde as pessoas podiam ir” e isso já não acontece.

O enviado disse que é importante criar um corredor temporário para que os sírios tenham como regressar em segurança. Ele disse que está “preparado, pessoalmente e fisicamente, para se envolver, com a cooperação do governo, porque é uma área fora de Idlib que o governo mesmo controla.”

Armas químicas

De Mistura disse que “todos estão conscientes” de que o governo e a frente rebelde  Al Nusra têm a capacidade de usar gás cloro.  Isso “aumenta a preocupação” e deixa todos “em alerta”.

Na quarta-feira, o chefe das Nações Unidas, António Guterres, declarou que qualquer uso de arma química é totalmente inaceitável.

Crise humanitária

Em nota, o secretário-geral manifestou preocupação profunda com o aumento dos riscos de uma catástrofe humanitária.

Para Guterres, isso pode ocorrer com a possibilidade de uma operação militar em ampla escala na província de Idlib. O secretário-geral pediu ao governo sírio e a todas as partes no país que exerçam moderação e priorizem a proteção dos civis.

Para ele, é preciso que todas as medidas necessárias sejam tomadas para salvaguardar as vidas dos civis, permitindo liberdade de movimento e proteção da infraestrutura incluindo as instalações médicas e de saúde. E que tudo seja feito de acordo com a lei humanitária internacional e a lei de direitos humanos.