Perito da ONU elogia Samsung por avaliar compensar funcionários contaminados

Conselho de Direitos Humanos, em Genebra.
Foto: ONU/Elma Okic
Conselho de Direitos Humanos, em Genebra.

Perito da ONU elogia Samsung por avaliar compensar funcionários contaminados

Direitos humanos

Cerca de 250 empregados sul-coreanos da multinacional de eletrônicos teriam sido expostos a substâncias tóxicas, há uma década; problemas de saúde incluíram câncer, abortos espontâneos e outros.

Um relator* de direitos humanos das Nações Unidas sobre produtos tóxicos saudou a decisão da empresa Samsung de acatar uma proposta sobre o possível pagamento de indenizações a centenas de trabalhadores sul-coreanos.

Em nota, Baskut Tuncak destaca que o grupo sofreu doenças graves enquanto trabalhava na empresa, há uma década. As medidas são para evitar que o problema volte a ocorrer.  

Impactos

O especialista disse que está feliz porque a multinacional deverá aceitar os resultados da arbitragem, que cita a perda de vidas e os impactos na saúde de trabalhadores que fabricaram seus produtos.

Na sexta-feira, foi firmado um acordo entre a empresa e um grupo da sociedade civil que representa 250 trabalhadores. Para o perito, esse entendimento  é marco numa disputa sobre alegações de condições de trabalho insalubres.

Os trabalhadores alegam que a saúde foi afetada pela exposição a substâncias tóxicas na fabricação de chips semicondutores e painéis LCD. Alguns deles sofreram de câncer, abortos espontâneos e vários outros problemas de saúde.

Coreia do Sul

A maioria das vítimas eram mulheres em idade reprodutiva e seus filhos. Essas questões foram apresentadas com base na visita que o relator fez à Coreia do Sul em 2015.

O especialista destaca que a Samsung tomou um passo na direção certa como empresa global, ao reconhecer sua responsabilidade de fornecer compensação efetiva as vítimas.

Ele espera que a companhia assegure os padrões mais altos de proteção para evitar que esses problemas se repitam, embora desejasse ver a decisão tomada há anos atrás. 

Tuncak encoraja a Samsung e outras empresas do setor de eletrônicos a melhorar ainda mais a proteção dos trabalhadores em todas as suas operações globais.

Direitos

Segundo ele, direitos dos trabalhadores são direitos humanos, e ninguém deve ter seus direitos humanos básicos negados, incluindo os direitos à vida e à saúde por causa do trabalho que eles realizam.

A nota apela a  responsabilidade durante todo o ciclo de vida de produtos, desde a extração de matérias-primas até a fabricação, uso e disposição final, bem como as suas cadeias de suprimento.

Ele apontou ainda a responsabilidade de garantir que companhias e seus fornecedores, tanto no país quanto no exterior, adotem boas práticas para evitar a exposição a substâncias tóxicas por meio do ciclo de vida de seus produtos, operações e serviços.

A  expectativa do relator é que Samsung tome medidas positivas no futuro, incluindo a proteção dos direitos das vítimas em todos os setores de fabricação de produtos elétricos e eletrônicos além daqueles que sejam cobertos n atual acordo.

*Relatores de direitos humanos são independentes da ONU e não recebem salário pela sua atuação.