“Sanções contra o Irã devem ser justas e ter em conta sofrimento dos pobres”

22 agosto 2018

Especialista da ONU  sobre o tema questiona legitimidade da medida anunciada pelos Estados Unidos; preocupação é com origem de alimentos e remédios que  milhões de iranianos devem precisar.

Um relator das Nações Unidas* para direitos humanos e sanções internacionais afirmou que as sanções contra o Irã devem ser justas e considerar o sofrimento de inocentes.

Para Idriss Jazairy, a retomada das sanções, adotadas por unanimidade pelo Conselho de Segurança, coloca em evidência essa falta de legitimidade. A medida ocorre após a saída unilateral dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã.

Conselho de Segurança

Em nota, emitida em Genebra, o especialista destaca ainda que o que ela chama de “ ilegitimidade” foi confirmada com a oposição de todos os outros membros permanentes do Conselho de Segurança e parceiros internacionais.

O especialista declara que sanções internacionais têm um propósito legal, devem ser proporcionais e não prejudicar os direitos humanos dos cidadãos.

Para Jazairy, as sanções são injustas e prejudiciais destruindo a economia e a moeda do Irã, levando milhões de pessoas à pobreza e tornando os bens importados inacessíveis.

Remédios

O especialista questiona se os Estados Unidos deverão fornecer os alimentos e remédios a milhões de iranianos que já não poderão comprá-los.

Ele disse haver dúvidas e ambiguidades no sistema atual de sanções, que tornam quase impossível que o Irã importe esses bens humanitários urgentes.

O perito alerta para possíveis “mortes silenciosas” em hospitais, enquanto os medicamentos acabam e a mídia internacional não percebe”.

O apelo aos Estados Unidos é que autorize a entrada de commodities agrícolas, alimentos, medicamentos e equipamentos médicos ao Irã.

Campo de batalha

Outro pedido é que sejam tomadas medidas reais e concretas para assegurar que bancos, instituições financeiras e empresas iranianos possam garantir  a autorização rápida e livre de importações e pagamentos.

O especialista elogiou a comunidade internacional pelos esforços para rejeitar o que chama de “bullying econômico”.

A expectativa dele é que o mundo se una para que não transforme em um campo de batalha para uma guerra econômica generalizada.

*Relatores de dirietos humanos são independentes da ONU e não recebem salário pela sua atuação.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud