OMS avalia operações de combate ao ebola na República Democrática do Congo BR

O Unicef alerta os moradores de várias comunidades afetadas sobre a importância de se tomar a vacina.
OMS-Eugene Kabambi
O Unicef alerta os moradores de várias comunidades afetadas sobre a importância de se tomar a vacina.

OMS avalia operações de combate ao ebola na República Democrática do Congo

Saúde

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, e o vice-diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Peter Salama, acompanham de perto ações para eliminar a doença no país africano; na semana passada, Unicef mobilizou especialistas em comunicação para fortalecer a vacinação em comunidades afetadas.

A Organização Mundial da Saúde intensificou ações de combate ao ebola da República Democrática do Congo. O novo surto afeta as províncias de Kivu do Norte e Ituri.

Tweet URL

 

 

 

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, e o vice-diretor-geral de Preparação e Resposta a Emergências da OMS, Peter Salama, fizeram uma viagem de dois dias à RD Congo para acompanhar de perto as ações de combate ao ebola.

Eles estiveram na cidade de Beni e na área de Mangina. As regiões estão no epicentro do novo surto da doença que afeta o país.

Conflito

De acordo com a OMS, a presença de grupos armados na região aumenta a insegurança na área e dificulta o trabalho dos agentes de saúde.

Tedros Ghebreyesus disse que "todas as pessoas que estão trabalhando na resposta contra o vírus precisam ter acesso livre e seguro às áreas de conflito para fazerem o trabalho necessário para controlar o surto. Disse também que a população precisa ter acesso aos centros de tratamento que salvam vidas e evitam que a doença se espalhe."

O Unicef enviou especialistas em comunicação para alertar os moradores de várias comunidades afetadas sobre a importância de se tomar a vacina. 

O representante do Unicef na RD Congo, Gianfranco Rotigliano, lembra que o último surto de ebola provou que a participação da comunidade é fundamental para evitar que a doença se espalhe, e para alcançar taxas mais altas de vacinação.

O Plano Conjunto de Resposta do Governo e da República Democrática do Congo é realizado em coordenação com a OMS e o Unicef. A vacina é ministrada gratuitamente e de forma voluntária em qualquer pessoa que tenha estado em contato com alguém infectado.

Rádios e igrejas

O Unicef já enviou 12 especialistas em comunicação às áreas afetadas. Eles estão trabalhando diretamente com os líderes comunitários, oferecendo informação e aconselhamento sobre a vacina.

Até agora, Unicef, OMS e parceiros já conseguiram informar 60 líderes comunitários com mensagens de prevenção. Cerca de 100 trabalhadores humanitários foram treinados na região de Beni, para que eles possam formar outras pessoas.

Jornalistas e rádios comunitárias também participam do projeto em Beni e Goma.  O material de prevenção também foi compartilhado com 241 igrejas na área de Beni.