OMS anuncia bolsa para jornalistas que cobrem segurança

3 agosto 2018

Iniciativa tem apoio do Centro Internacional de Jornalistas, Icfj; são 12 vagas para jornalistas em todo o mundo; prazo para inscrições encerra em 17 de agosto; evento ocorrerá de 3 a 7 de novembro na Tailândia.

A Bolsa de Reportagens sobre Segurança 2018, que inclui segurança nas estradas, está convocando jornalistas especializados no tema, em todo o mundo.

A Bolsa é oferecida pela Organização Mundial da Saúde, OMS, e pelo Centro Internacional de Jornalistas, Icjf. A iniciativa escolherá 12 profissionais de várias partes do globo para o evento em Bangcoc, capital da Tailândia, de 3 a 7 de novembro.

Candidaturas

Para se inscrever, os candidatos precisam produzir um ensaio de no máximo 500 palavras com a motivação e o objetivo, incluindo três mudanças específicas que espera realizar durante a oficina.

Além disso, é preciso ter uma ideia de matéria para um projeto detalhado de segurança e prevenção de lesões e ferimentos com inclusão de estatística. Os jornalistas também precisam se comprometer a escrever pelo menos três matérias durante e depois da conferência. E terem duas reportagens sobre o tema publicadas recentemente.

Os candidatos devem falar inglês e terem apoio da chefia da redação onde trabalham além de outros requisitos, que podem ser acessados na página do Centro, que traz mais informações.

O prazo para inscrições é até 17 de agosto de 2018.

Anúncio 

A oficina para os bolsistas será realizada antes da 13ª. Conferencia sobre Prevenção de Lesões e Promoção da Segurança, realizada na Tailândia.

Os candidatos terão a viagem, acomodação e outros custos inteiramente pagos e será dada prioridade a profissionais de países de rendas média e baixa e que não tenham participado de nenhuma bolsa da OMS.
 

Mais informações (em inglês)

 

 

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Unesco condena violência contra jornalistas em favela do Rio (Português para o Brasil)

Representante da agência da ONU no Brasil, Vincent Defourny, disse que agressões são atentado grave aos direitos humanos e ato de intimidação.