Embaixador, que preside estratégia de paz para Guiné-Bissau, se diz animado com planejamento de eleições

27 julho 2018

Mauro Vieira encerrou visita ao país africano falando de avanços para normalização política; diplomata destaca movimento dos parceiros para contribuir com fundos; autoridades guineenses precisam de US$ 3,5 milhões para fechar orçamento sobre pleito em novembro.

O presidente da Configuração para a Guiné-Bissau na Comissão da ONU para a Consolidação da Paz, PBC, disse estar satisfeito com os avanços alcançados na preparação das eleições legislativas marcadas para 18 de novembro.

Mauro Vieira, que é embaixador do Brasil junto à ONU, terminou nesta quinta-feira uma visita oficial à Guiné-Bissau onde acompanhou a situação do país no processo de estabilização.

Sociedade Civil

O diplomata encontrou-se com representantes do governo, do Parlamento, da comunidade internacional, sociedade civil, da Comissão Eleitoral e Judiciário, e fechou o ciclo com o presidente José Mário Vaz.

 

"Foram encontros importantes em que reuni os dados para apresentar o meu relatório ao Conselho das Nações Unidas na qualidade do presidente da Configuração para a Guiné-Bissau".

Em três dias da visita, Vieira disse estar contente com os avanços alcançados. Ele destacou o empenho do governo e da Assembleia Nacional Popular com sessões regulares para que as próximas eleições possam formar um quadro de funcionamento democrático e inclusivo. 

Mauro Vieira disse que há sinais encorajadores no sentido de as eleições serem realizadas em novembro,  na data marcada, após as consultas com as autoridades guineenses.

Avaliações

"De todos os interlocutores, ouvi que sim é possível realizar eleições legislativas a 18 de novembro, inclusive recebi garantias do presidente da República, e também tenho escutado das Nações Unidas em Bissau avaliações neste sentido.”

Sede do Escritório Integrado de Construção da Paz das Nações Unidas na Guiné-Bissau, também conhecido como Uniogbis. , by Foto: Uniogbis

Dos US$ 7 milhões necessários para realizar as eleições legislativas na Guiné-Bissau, falta metade do valor. O governo ainda não tem kits para registrar eleitores no período entre 23 de agosto a 23 de setembro,

Mauro Vieira disse que há um movimento dos parceiros para contribuir com fundos e que há respostas positivas sobre a avaliação da situação atual na Guiné-Bissau.

O diplomata disse observar uma grande mudança com a normalização da vida política e que o país “dá passos para a normalização total com a realização das eleições legislativas em novembro”.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud