Assembleia Geral avisa que é preciso cumprir Agenda 2030 sem perda de tempo

16 julho 2018

Declaração é do presidente do órgão, que abriga o Fórum Político de Alto Nível sobre avanços dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, ODSs; Miroslav Lajcák discursou na abertura de encontro ministerial, em que participou também a vice-secretária-geral da ONU e a enviada para a Juventude.  

O presidente da Assembleia Geral da ONU, Miroslav Lajcák, avisou esta segunda-feira na sede da organização, em Nova Iorque, que o mundo “não tem tempo a perder” se quer cumprir as metas da Agenda 2030.

Lajcák falou na abertura do Encontro Ministerial do Fórum Político de Alto Nível, que avalia o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs.

Avanços

O presidente da Assembleia Geral disse que existe motivo de celebração porque “o mundo é hoje um lugar melhor do que era há apenas alguns anos”.

Lajcák destacou a redução da pobreza extrema, inovações em cuidados de saúde, menos trabalho infantil e maior escolaridade. Apesar desses avanços, ele diz que “é preciso ser realista e reconhecer que existem enormes desafios.

Presidente da Assembleia Geral, Miroslav Lajcák., by ONU/Eskinder Debebe

Uma em cada seis crianças não toma água potável. A cada minuto, uma criança morre devido à água contaminada ou más condições sanitárias e de higiene. Um bilhão de pessoas ainda não têm eletricidade.

Segundo ele, “existem causas para celebrar, mas existem ainda mais motivos de preocupação”.

Plano

Lajcák afirmou que, se não existisse um plano para resolver estes problemas, como a Agenda 2030, “o mundo seria um lugar muito assustador para se viver”.

Ele acredita que “o unilateralismo, o protecionismo e o extremismo teriam um apelo ainda maior”. Além disso, o mundo “estaria se preparando para uma séria incerteza econômica e um colapso ambiental”. 

O presidente da Assembleia Geral diz que um dos maiores desafios é o financiamento. Segundo ele, “não existe dinheiro suficiente para cumprir os Objetivos” e, por isso, “é preciso ir além dos modelos habituais, aproveitando investimentos e fluxos de capitais”.

Para ele, também é necessário uma abordagem mais inclusiva, com mais liderança e participação das mulheres. Lajcák lembrou que “todos os sistemas, seja nas Nações Unidas ou governos nacionais, foram construídos por homens e para homens”.

Encontro

Participaram também no encontro a presidente do Conselho Econômico e Social da ONU, Ecosoc, Marie Chatardová, a vice-secretária-geral, Amina Mohammed, a enviada para a Juventude, Jayathma Wickramanayake, e a atriz e embaixadora da Boa Vontade do Programa da ONU para o Desenvolvimento, Pnud, Michelle Yeoh.

A Agenda 2030 foi aprovada em 2015 e este fórum de avaliação acontece pela terceira vez. O encontro termina na quarta-feira.

No próximo ano, a Assembleia Geral faz a sua primeira grande revisão dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Apresentação: Monica Grayley.

O embaixador de Portugal junto à ONU falou do Fórum Político de Alto Nível, que até esta semana reúne ministros e representantes de Estados-membros da ONU.