Na ONU, Nova Iorque declara 11 de julho Dia dos Objetivos Globais

11 julho 2018

Nações Unidas dizem que cidades precisam apressar esforços para cumprir Agenda 2030, de desenvolvimento sustentável; dentro de dois anos, cerca de 700 cidades, em todo o mundo, terão mais de 1 milhão de habitantes.

Autoridades locais e nacionais precisam fazer mais esforços para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 11, ODS, que define cidades seguras, inclusivas, resilientes e sustentáveis como uma meta ​​até 2030.

Essa é a conclusão de um novo relatório da agência ONU Meio Ambiente, lançado esta quarta-feira durante a primeira revisão do ODS 11, no Fórum Político de Alto Nível em Nova Iorque.

Sustentabilidade

O prefeito de Nova Iorque, Bill de Blasio, que esteva na ONU nesta quarta-feira, declarou o 11 de julho como Dia dos Objetivos Globais, na cidade.

De Blasio disse que os esforços para cumprir os ODSs “dependem da cooperação das cidades que já estão na linha da frente a resolver alguns dos desafios mundiais mais urgentes”.

Ele afirmou que Nova Iorque tem orgulho do seu compromisso com estes Objetivos e que, “trabalhando juntos, é possível assegurar um futuro melhor para a próxima geração”.

Nova Iorque também se tornou na primeira cidade do mundo a entregar na ONU um relatório sobre os progressos feitos para cumprir a Agenda 2030.

Pobreza

O encontro na ONU marca a primeira avaliação deste Objetivo, durante o Fórum Político de Alto Nível que termina em 18 de julho.

A diretora-executiva da ONU Meio Ambiente, Maimunah Mohd Sharif, que participa da reunião, disse que “a urbanização é uma das questões mais importantes quando se trata de desenvolvimento sustentável”.

Para ela, as cidades são os espaços onde todos os ODS podem ser integrados para combater pobreza, exclusão, mudanças climáticas e outros riscos.

Diretora-executiva da ONU Meio Ambiente, Maimunah Mohd Sharif. , by ONU Meio Ambiente

Com a atual taxa de expansão demográfica, mais de 700 cidades terão mais de 1 milhão de habitantes até 2030. Neste momento, as cidades geram cerca de 70% do Produto Interno Bruto, PIB, global.

A agência da ONU afirma que “sem planejamento e regulamentação, isso pode levar a níveis crescentes de pobreza, criminalidade, poluição e doenças, devido à expansão de favelas, falta de água potável e saneamento, além de estradas congestionadas e poucos ou nenhuns espaços abertos seguros”.

Progresso

O relatório informa que a porcentagem de pessoas vivendo em favelas está diminuindo, o que indica um progresso no direito à moradia decente e menos assentamentos informais.

O número de moradores nessas condições passou de 807 milhões, em 2000, para 883 milhões em 2014.

Segundo a agência da ONU, a moradia também é cada vez mais inacessível para grandes setores da população, sobretudo na África. A poluição do ar está aumentando e, embora a oferta de transporte público cresça, ainda não é suficiente.

A ONU Ambiente explica que “as cidades estão crescendo mais rápido do que a população, levando a custos maiores de infraestrutura, mais tráfego e mais poluição”.

Os Estados-membros adotaram os ODS em 2015. Esta foi a primeira vez que as cidades e o desenvolvimento urbano receberam uma meta independente.

 

Apresentação: Monica Grayley.