Assembleia Geral adota resolução pedindo maior proteção aos palestinos

Resultados da votação da Assembleia Geral da ONU na resolução sobre a proteção da população civil palestina.
ONU/Evan Schneider
Resultados da votação da Assembleia Geral da ONU na resolução sobre a proteção da população civil palestina.

Assembleia Geral adota resolução pedindo maior proteção aos palestinos

Paz e segurança

Decisão deplora o uso "excessivo" da força por Israel nos protestos iniciados em março; sessão de emergência adotou documento passou com 120 votos a favor, 8 contra e 45 abstenções.

A Assembleia Geral da ONU realizou uma sessão de emergência, na quarta-feira, que adotou uma resolução apelando a maior proteção de palestinos e deplorando “uso excessivo, desproporcional e indiscriminado” da força por militares de Israel contra civis palestinos particularmente em Gaza.

O encontro de emergência dos 193 Estados-membros seguiu-se a semanas de violência ao longo do cerco entre Israel e a Faixa de Gaza, durante protestos de palestinos denominados Marcha de Retorno, iniciados em março.

Vítimas

Agências de notícias dizem que mais de 120 palestinos morreram quando participavam nas manifestações.

O documento foi aprovado esta quarta-feira com 120 votos a favor, 8 contra e 45 abstenções, após a votação de uma ementa dos Estados Unidos condenado o papel do grupo extremista Hamas, que controla a Faixa de Gaza.

Após várias rodadas de votação como parte dos procedimentos, a proposta garantiu o apoio de 62 países, com 58 votos contra; chegando perto do apoio de maioria de dois terços necessário.

Presidente da Assembleia Geral, Miroslav Lajcák
Presidente da Assembleia Geral, Miroslav Lajcák, by ONU/Kim Haughton

Cúpula

A sessão foi convocada pelo presidente da Assembleia Geral, Miroslav Lajcák, a pedido da Argélia e da Turquia, que presidem o Grupo Árabe e a Cúpula da Organização da Cooperação Islâmica respectivamente.

A resolução “deplora o uso de qualquer força excessiva, desproporcional e indiscriminada pelas forças de Israel contra civis palestinos nos Territórios Palestinos, incluindo Jerusalém Oriental, e particularmente na Faixa de Gaza, incluindo o uso de munições reais contra manifestantes civis, incluindo crianças, bem como pessoal médico e jornalistas, e manifesta sua grande preocupação com a perda de vidas inocentes ”.

O documento também “exige que Israel, a potência ocupante, se abstenha de tais ações e cumpra plenamente suas obrigações e responsabilidades legais” como prevê a 4ª Convenção de Genebra sobre a proteção de civis em momentos de guerra.

De acordo com a decisão, o secretário-Geral deverá após 60 dias, apresentar “propostas sobre formas e meios para garantir a segurança, a proteção e o bem-estar da população civil palestina sob a ocupação israelense, incluindo“ recomendações relativas a um mecanismo de proteção internacional ”.

O texto também “deplora o lançamento de foguetes da Faixa de Gaza contra áreas civis israelenses”, mas não menciona o movimento Hamas como responsável por tais lançamentos.

Apresentação: Monica Grayley.