Pessoas obesas podem ter maior risco de fumar

17 maio 2018

Novo estudo sugere base biológica comum entre obesidade e ser fumador; diretor da Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer diz que prevenção do tabagismo é fundamental para reduzir a carga global de doenças crónicas.

Pessoas com excesso de peso e obesas podem ter maior risco de serem fumadoras, segundo um estudo da Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer, Iarc, divulgado esta quinta-feira.

A pesquisa, publicada no British Medical Journal, mostra que o aumento do índice de massa corporal, a percentagem de gordura corporal e a circunferência da cintura estão associadas a um maior risco de ser fumador e a fumar com mais intensidade.

Resultados

Os resultados foram semelhantes para homens e mulheres. A investigação foi baseada em marcadores genéticos, recorrendo a uma base de dados com informações de quase 450 mil participantes.

Um dos os autores do artigo, Paul Brennan, disse que o estudo "permite entender melhor a relação entre obesidade e hábitos importantes de fumar, como o começo e intensidade, bem como o impacto da obesidade no fim do tabagismo."

Segundo Brennan, o estudo “também sugere que o índice de massa corporal e a exposição ao tabaco podem ter uma base biológica comum para comportamentos de dependência, como dependência de nicotina e maior consumo de energia."

Estudos

Uma nota da Iarc explica que “esta nova análise de variantes genéticas destaca a complexa relação entre obesidade e tabagismo.”

Estudos anteriores já tinham mostrado que os fumadores têm, em média, um peso mais baixo do que não fumadores, possivelmente por causa de um apetite reduzido.

Também já foi demonstrado que as pessoas tendem a ganhar peso depois de parar de fumar e que, entre os fumantes, aqueles que fumam mais intensamente tendem a ser mais pesadas.

Saúde

O diretor do Iarc, Christopher Wild, disse que “a prevenção do tabagismo é fundamental para reduzir a carga global de câncer e outras doenças crônicas, como doenças cardiovasculares e diabetes.”

Wild explicou que “a obesidade também está entre as causas evitáveis ​​mais importantes das mesmas doenças.”

Segundo ele, “estes novos resultados oferecem uma visão intrigante sobre os potenciais benefícios de abordar, em conjunto, estes fatores de risco, com medidas de saúde pública que combinam controlo de peso e controlo do tabagismo.”

 

Apresentação: Alexandre Soares