Chefe da ONU saúda libertação de meninas sequestradas na Nigéria

22 março 2018

Grupo, entre 11 e 19 anos de idade, havia sido levado à forças em fevereiro; libertação ocorreu nesta quarta-feira.

O secretário-geral das Nações Unidas saudou esta quarta-feira, em sua conta oficial numa rede social, a libertação da maioria das 110 meninas sequestradas, na Nigéria.

Elas foram levadas à força por insurgentes do movimento terrorista Boko Haram. O sequestro ocorreu em fevereiro, no nordeste do país africano.

Uma a mais

O chefe da ONU lembrou, no entanto, que nem todas as vítimas foram libertadas. Segundo ele, “uma menina desaparecida é uma menina desaparecida a mais” e “todas devem ser libertadas imediatamente."

A suspeita é de que os terroristas do Boko Haram tenham levado as alunas durante o ataque a um instituto de educação na cidade de Dapchi, no estado de Yobe, no nordeste do país, a 19 de fevereiro. Dias depois, o governo nigeriano divulgou os nomes das 110 meninas, que têm entre 11 e 19 anos.

Numa declaração em fevereiro, António Guterres condenou fortemente o sequestro e o ataque. O secretário-geral pediu a libertação imediata e incondicional de todas as meninas e a garantia de que retornavam para as suas famílias com segurança.

Nessa declaração, o secretário-geral reforçou também a solidariedade e apoio da ONU para com o governo da Nigéria e outros países da região que lutam contra o terrorismo e o extremismo violento.

Em 2014, os militantes do Boko Haram realizaram uma ação semelhante. Na altura, sequestraram quase 300 estudantes de uma escola em Chibok, também na Nigéria.

 

Apresentação: Alexandre Soares

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud