Conselho de Segurança quer investigação de ataque que matou quatro boinas-azuis
BR

1 março 2018

Em comunicado, órgão condenou atentado no Mali e expressou profundas condolências às famílias das vítimas, à Missão da ONU no país, Minusma, e a Bangladesh, país dos militares mortos.

O Conselho de Segurança da ONU condenou, de forma veemente, um ataque a um comboio das forças da paz da organização no Mali.

No atentado, ocorrido nesta quarta-feira, foram mortos quatro militares de Bangladesh e vários ficaram feridos. O ataque ocorreu na região de Mopti.

Resoluções

No comunicado, o Conselho de Segurança enviou profundos pêsames às famílias das vítimas assim como ao governo bengalês e à Minusma. Eles também prestaram tributo aos soldados que estavam a serviço da paz.

O órgão pediu uma investigação imediata do ataque e disse que os autores têm de ser levados à justiça. Mais uma vez, o Conselho lembrou que atentados a forças de paz podem ser considerados crimes de guerra pela lei internacional. O crime também pode ser passível de sanções de acordo com as resoluções da ONU.

Para os 15 embaixadores do Conselho de Segurança, o terrorismo em todas as suas formas e manifestações é uma das mais sérias ameaças à paz e segurança internacionais. E é preciso que seus autores e patrocinadores sejam punidos.

Impacto

O Conselho reafirmou seu apoio à Missão da ONU no Mali e às forças da França que atuam na operação. O órgão também destacou a determinação de governos do Grupo dos Cinco para os Estados do Sahel de responder ao impacto do terrorismo e ao crime organizado transnacional.

O órgão encerrou a nota pedindo a todos as partes no Mali que implementem o Acordo de paz sem demoras e lembrou que a operação de paz da ONU no país deve contar com o equipamento necessário incluindo as empresas de comboios de combate para cumprir seu mandato de promover a paz e a segurança no terreno.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud