Nigéria tem mais de mil suspeitas de febre lassa, alerta OMS
BR

28 fevereiro 2018

90 pessoas morreram após contrair doença; Organização Mundial da Saúde lembra que doença é endêmica no oeste africano, em países como Benin, Libéria e Serra Leoa; agência destaca que surto na Nigéria causa muita preocupação devido ao grande número de casos.

O Centro de Controle de Doenças da Nigéria já registrou 1.081 suspeitas de febre lassa entre 1º de janeiro e 25 de fevereiro. Segundo a Organização Mundial da Saúde, OMS, mais de 300 casos clínicos foram confirmados.

Cerca de 90 pessoas morreram após contrair a doença e a OMS destaca que este é o maior surto da Nigéria. A agência da ONU explica que a febre lassa é endêmica em vários países do oeste africano, como Benin, Libéria e Serra Leoa.

Investigação

Mas devido ao grande número de casos na Nigéria, a OMS está muito preocupada com o surto atual. No país, 17 estados já reportaram casos. O número equivale a quase a metade do estados nigerianos. Mas a maioria está concentrada em Edo, Ondo e Ebonyi, no sul do país.

A OMS destaca ser muito cedo para dizer porque o surto deste ano é tão extenso, já que uma investigação está em andamento. A agência auxilia as autoridades de saúde neste sentido e também ajuda na melhoria da vigilância, na prevenção de novas infecções e no tratamento de pacientes.

Transmissão

A febre lassa é uma doença viral hemorrágica que dura entre dois e 21 dias. O vírus é transmitido por contato com alimentos ou itens contaminados por urina ou fezes de ratos. Infecções entre pessoas também podem ocorrer, especialmente em hospitais.

Segundo a OMS, garantir uma boa higiene é a melhor forma de prevenção. Cerca de 80% dos pacientes não apresentam sintomas, mas nos casos mais graves, fígado, baço e rins são afetados. Não existe vacina para combater a febre lassa e o tratamento é feito com medicamento antiviral.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud