Guterres quer cessar-fogo imediato na Síria e pede “fim do inferno” em Ghouta Oriental
BR

26 fevereiro 2018

Secretário-geral participou da abertura da sessão do Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, onde falou também sobre aumento da xenofobia, do racismo e da intolerância.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

O secretário-geral da ONU discursou esta segunda-feira na abertura da 37ª sessão do Conselho de Direitos Humanos em Genebra, na Suíça. António Guterres pediu para o cessar-fogo na Síria ser implementado imediatamente.

No fim de semana, o Conselho de Segurança aprovou uma resolução pedindo uma pausa de 30 dias nos combates. O chefe da ONU lembrou que o cessar-fogo é importante para a entrada imediata de ajuda humanitária e retirada de pacientes doentes.

Inferno

Guterres afirmou que “Ghouta Oriental não pode esperar” e disse ser “hora para acabar com esse inferno na terra”. Ele lembrou às partes da obrigação que têm em proteger civis, de acordo com a lei internacional humanitária.

No ano em que a Declaração Universal dos Direitos Humanos completa 70 anos, o secretário-geral falou sobre algumas questões importantes como igualdade de gênero e o preconceito enfrentado por refugiados e migrantes.

Segundo Guterres,  o mundo “está vendo uma onda de xenofobia, racismo e intolerância, incluindo ódio antissemita e ódio antimuçulmano. Partidos políticos de extrema direita estão ressurgindo. Refugiados e migrantes têm muitas vezes seus direitos negados e são vistos como ameaça à sociedade, apesar de haver provas dos benefícios que trazem”.

Limpeza étnica

No Conselho de Direitos Humanos, ele também falou sobre o povo rohingya, em Mianmar, que segundo Guterres estão entre “os mais discriminados no mundo, muito antes da crise que começou no ano passado”.

O chefe da ONU explicou que os rohingyas “foram sujeitos à brutalidade extrema pelas forças militares e retirados de suas casas e de seu país num exemplo claro de limpeza étnica”.

Ele pediu ajuda imediata para os rohingyas incluindo assistência humanitária e justiça e fez um apelo à comunidade internacional para apoiarem os civis que estão refugiados em Bangladesh.

Participaram ainda da abertura o presidente da Assembleia Geral, Miroslav Lajcak, e o alto comissário para direitos humanos Zeid Al Hussein.

A 37ª sessão do Conselho de Direitos Humanos segue até 23 de março, no Palácio das Nações em Genebra.