Perspectiva Global Reportagens Humanas

Milhares de crianças refugiadas do Mali ganham certidão de nascimento

Mauritânia começa a fornecer certidão de nascimento para crianças refugiadas
Foto: © UNHCR
Mauritânia começa a fornecer certidão de nascimento para crianças refugiadas

Milhares de crianças refugiadas do Mali ganham certidão de nascimento

Migrantes e refugiados

Acnur celebra iniciativa que beneficia milhares de menores que vivem no acampamento de Mbera, no sudeste da Mauritânia; ação do governo foi inédita, numa demonstração de apoio à proteção dos refugiados.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

 

A Agência da ONU para Refugiados, Acnur, está celebrando a entrega de certidões de nascimento para milhares de crianças refugiadas do Mali. Elas vivem no acampamento de Mbera, no sudeste da Mauritânia.

 

Segundo o Acnur, a iniciativa do governo da Mauritânia é inédita e uma prova do apoio à proteção dos refugiados. Mais de 7,6 mil crianças nascidas no acampamento vão receber a certidão de nascimento e o governo já criou um sistema para que todos os recém-nascidos sejam automaticamente registrados.

 

Casamento infantil

 

A agência explica que os documentos ajudarão no combate aos casamentos forçados e prematuros, já que ter provas da idade é essencial para identificação desses casos e para fornecer evidências às instituições.

 

No ano passado, o Acnur registrou 97 casos de casamento infantil no acampamento de Mbera, mas teme-se que mais casos podem não ter sido reportados.

 

Colaboração

 

Com parceiros, as equipes do Acnur trabalham para identificar e apoiar as crianças em risco. Provar a idade também é importante caso aconteça no futuro a repatriação voluntária dos refugiados, se as condições de segurança no Mali permitirem.

 

A agência da ONU colabora com as autoridades da Mauritânia para o registro civil dos refugiados, além de dar assistência vital, a incluir comida, água, educação e serviços médicos.

 

Desde 2012, a insegurança no norte do Mali tem levado a população a pedir refúgio na Mauritânia, que já abriga 51 mil malianos, e também no Níger e em Burquina Fasso.