RD Congo: Nigeriano lidera investigação a incidente que fez dezenas de mortos

18 janeiro 2018

Equipa do General Chikadibia Isaac Obiakor deve apurar sobre desafios da missão da ONU no país; confronto entre supostos militares ocorreu em acampamento que acolhe mais de 2 mil refugiados e candidatos a asilo.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque. 

As Nações Unidas escolheram o tenente-general nigeriano Chikadibia Isaac Obiakor para liderar uma investigação especial a um incidente ocorrido em setembro na área congolesa de Kamanyola, no Kivu do Sul.

A nomeação do oficial nigeriano foi feita pelo subsecretário-geral das Operações de Manutenção de Paz, Jean-Pierre Lacroix.

Civis

O foco da investigação especial serão os desafios enfrentados pela Missão da ONU na República Democrática do Congo, Monusco, para cumprir o mandato de proteger civis. O grupo também deve fazer recomendações para um melhor desempenho das tropas de paz no país africano.

A Agência das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, anunciou que mais de 30 pessoas teriam perdido a vida no incidente. A maioria era de cidadãos burundeses refugiados e candidatos a asilo.

Multidão

Em circunstâncias ainda pouco claras, os relatos recolhidos pela agência nesse momento revelaram que durante o confronto com manifestantes do Burundi, as Forças de Segurança congolesas teriam aberto fogo contra a multidão. A ação teria provocado mais de 100 feridos.

O acampamento acolhe mais de 2 mil refugiados e candidatos a asilo do Burundi, que na sua maioria chegaram à RD Congo em 2015. Cerca de 43,7 mil refugiados burundeses vivem em território congolês.

Notícias relacionadas:

Chuvas podem agravar maior epidemia de cólera em 20 anos na RD Congo

RD Congo terá novo batalhão de mobilização rápida a partir de fevereiro

Guterres anuncia investigação sobre ataque a boinas-azuis na RD Congo