RD Congo terá novo batalhão de mobilização rápida a partir de fevereiro
BR

9 janeiro 2018

ONU quer que força especial torne o mandado da operação de paz mais eficaz; subsecretário-geral das Operações de Paz fala de “enormes desafios” de segurança.

ONU quer que força especial torne o mandado da operação de paz mais eficaz; subsecretário-geral das Operações de Paz fala de “enormes desafios” de segurança.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.*

A Missão da ONU na República Democrática do Congo, Monusco, deve receber um novo batalhão de mobilização rápida.

A informação foi dada ao Conselho de Segurança pelo subsecretário-geral das Operações de  Manutenção de Paz, Jean-Pierre Lacroix.

Processo Político

Segundo Lacroix, os requisitos para enviar esse grupo especial de militares ao país estão sendo revistos. O objetivo é tornar mais eficaz o mandato da operação de paz.

A meta é garantir que dois batalhões de mobilização rápida sejam enviados até o final deste ano.

O chefe das operações de paz informou que a Monusco aumentou seu apoio aos processos político e eleitoral no país.

Direitos Humanos

Lacroix contou que os ajustes necessários civis, policiais e militares estão sendo feitos para permitir uma abordagem mais abrangente na proteção dos civis. Esse processo inclui monitorar e informar sobre a situação dos direitos humanos no país africano.

A meta é aumentar a mobilidade e a flexibilidade do pessoal da Monusco para permitir uma maior proteção.

Comissão Eleitoral

A Monusco continua a prestar suporte logístico e técnico à Comissão Eleitoral para o registro de eleitores e outras atividades de votação.

Jean-Pierre Lacroix pediu o apoio contínuo dos membros do Conselho e dos Estados-membros da ONU à Monusco. Para ele, é vital que a missão “tenha os meios necessários para apoiar efetivamente o processo político e responder aos enormes desafios de segurança que a RD Congo continua enfrentando”.

Em dezembro, pelo menos 15 soldados da paz foram mortos num ataque a uma base de operações da Companhia de Estabilização da Monusco, em Semuliki, no Kivu do Norte.

*Apresentação: Monica Grayley.