Secretário-geral pede alívio das tensões em região do Saara Ocidental
BR

6 janeiro 2018

Área de Guerguerat fica entre “muro” de Marrocos e fronteira com a Mauritânia; António Guterres quer contenção máxima; tráfego de pessoas e de comércio não pode ser restrito.

Área de Guerguerat fica entre “muro” de Marrocos e fronteira com a Mauritânia; António Guterres quer contenção máxima; tráfego de pessoas e de comércio não pode ser restrito.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

O secretário-geral das Nações Unidas está muito preocupado com a escalada das tensões em Guerguerat, zona no sul do Saara Ocidental, entre o “muro” de Marrocos e a fronteira com a Mauritânia.

Em mensagem divulgada neste sábado, António Guterres pede contenção máxima na área. Segundo ele, as saídas da Frente Polisário de Guerguerat em abril de 2017 e de “elementos marroquinos da área foram essenciais para criar um ambiente propício à retomada do diálogo, sob comando de seu enviado especial Horst Kohler.

Cessar-fogo

Guterres pede também que não seja barrado o tráfego de pessoas nem de comércio,  que significaria “uma mudança no status quo” da área. O Saara Ocidental está localizado no noroeste da costa africana, na fronteira com Marrocos, Mauritânia e Argélia.

A área deixou de ser colônia espanhola em 1976. Um conflito surgiu na sequência entre Marrocos e Frente Polisário e o acordo de cessar-fogo foi assinado em 1991. A Missão da ONU na região, Minurso, foi enviada naquele mesmo ano para garantir que o cessar-fogo fosse cumprido.

Mas desententimentos entre o governo marroquino e a Frente Polisário dificultaram um referendo sobre o futuro do território. Um plano proposto pela ONU após sete anos de consultas diplomáticas foi rejeitado pelas partes em 2004.

No ano passado, o Conselho de Segurança afirmou seu apoio ao compromisso do secretário-geral e de seu enviado especial por uma solução para a questão do Saara Ocidental. O Conselho pediu a Kohler para relançar o processo de negociação.

Notícias relacionadas:

PMA recebe ajuda americana para refugiados no Saara Ocidental

Pelo menos 44 migrantes "morreram de sede" no deserto de Saara