ONU fecha com êxito primeiro local de proteção de civis no Sudão do Sul

21 dezembro 2017

Milhares de deslocados retornaram voluntariamente às suas casas; centenas de famílias viviam na base de Melut desde o início da guerra civil há quatro anos; Ocha saúda libertação de quatro funcionários humanitários no país africano.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

A Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul, Unmiss, anunciou que um local de proteção de civis foi “encerrado com êxito” porque os deslocados internos que o ocupavam revelaram “desejo e confiança” de voltar para as suas casas.

A base da ONU em Melut, no estado do Alto Nilo, torna-se a primeira a deixar de abrigar a população depois de ter acolhido centenas de famílias após o início da guerra civil há quatro anos.

Parceria

Os residentes retornaram até a semana passada com assistência da Unmiss e da Agência das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, em parceria com outras organizações humanitárias.

O chefe da Unmiss, David Shearer, disse que as Nações Unidas vão fazer uma análise de cada um desses locais para ver se as condições já permitem um regresso voluntário e seguro que poderia ser apoiado pela missão.

Rapto

Em outro desenvolvimento, o coordenador humanitário do Sudão do Sul, Alain Noudéhou, saudou a libertação de seis trabalhadores humanitários que foram raptados há quatro dias na área de Bahr el Ghazal.

As vítimas foram um trabalhador internacional e cinco sul-sudaneses que operavam com ONGs parceiras. O chefe humanitário saúda os que ajudaram a garantir o retorno seguro desse pessoal com destaque para o Programa Mundial de Alimentação, PMA.

Impacto

O Coordenador Humanitário lembrou a todas as partes da sua obrigação de respeitar a neutralidade de operações humanitárias e facilitar o acesso seguro e sem obstáculos para funcionários do setor.

O grupo de funcionários ajudava com ações alimentares, meios de subsistência, saúde e intervenções nutricionais na área que sofre um forte impacto da insegurança alimentar e da desnutrição.

Notícias relacionadas:

PMA lança plano estratégico para palestinos em insegurança alimentar

Cerca de 400 mil crianças podem morrer de má nutrição na RD Congo

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud