Cerca de 400 mil crianças podem morrer de má nutrição na RD Congo
BR

12 dezembro 2017

Unicef alerta que perda de vidas pode ocorrer no próximo ano se não for dada assistência de saúde e alimentar; Fundo destaca que cerca de 220 centros de saúde foram destruídos, saqueados ou danificados por confitos na região de Kassai.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.*

A má nutrição aguda coloca em risco a vida de cerca de 400 mil crianças congolesas com menos de cinco anos na região de Kassai.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, na República Democrática do Congo, RD Congo, as crianças poderão morrer em 2018 se não receberem intervenções urgentes em saúde e nutrição.

Produção

As principais causas do problema são a violência, os deslocamentos em massa e a redução da produção agrícola nos últimos 18 meses.

Na região, as condições humanitárias continuam críticas apesar de a segurança em algumas áreas ter melhorado, e de alguns deslocados terem retornado às suas casas.

Emergência

Estima-se que 750 mil crianças sofrem de desnutrição aguda em toda a região de Kassai. A crise nutricional ocorre em 25 áreas.

Para o representante interino do Unicef na RD Congo, a crise de nutrição e de insegurança alimentar segue-se ao deslocamento de milhares de famílias que enfrentaram condições muito difíceis por meses.

Cerca de 220 centros de saúde foram destruídos, saqueados ou danificados.

A agência declarou que recebeu apenas 15% dos fundos que precisa para responder às necessidades nutricionais infantis em 2017.

Mais de 1,4 milhões de pessoas foram vítimas de violência e obrigadas a deslocar-se em Kassai. A crise gerou falta de comida num momento em que dois terços das famílias não podem cultivar nas suas terras. E um surto de sarampo deve agravar ainda mais a situação.

Apresentação: Manuel Matola

Notícias relacionadas: 

PMA diz que cerca de 25% da população passa fome em Kassai, na RD Congo

RD Congo: novo serviço quer combater emergência alimentar em Kassai