Chefe da ONU lembra que Agenda 2030 está enraizada nos direitos humanos
BR

11 dezembro 2017

Em seu discurso para marcar o Dia dos Direitos Humanos, celebrado no domingo, António Guterres afirmou que Objetivos de Desenvolvimento Sustentável têm como meta tirar milhões de pessoas da pobreza para que possam acessar seus direitos econômicos e sociais.

Em seu discurso para marcar o Dia dos Direitos Humanos, celebrado no domingo, António Guterres afirmou que Objetivos de Desenvolvimento Sustentável têm como meta tirar milhões de pessoas da pobreza para que possam acessar seus direitos econômicos e sociais.

Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.

As Nações Unidas realizaram uma cerimônia nesta segunda-feira em Nova Iorque para marcar o Dia dos Direitos Humanos, celebrado neste 10 de dezembro.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, discursou no evento. Segundo Guterres, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, publicada em 1948, é um documento poderoso que ajudou a mudar o mundo nas últimas sete décadas.

Liberdades

Ele lembrou que cada governo tem como dever garantir que todas as pessoas possam gozar de seus direitos e liberdades.

O chefe da ONU afirmou que não importa onde se vive, ou qual é o lugar do indivíduo na sociedade, gênero ou orientação sexual, raça, religião ou credo, todos são iguais em direitos humanos e em dignidade.

E Guterres lembrou que os direitos humanos são universais e não dependem de tradições, culturais e credos individuais.

Ele perguntou aos presentes se o mundo havia feito o suficiente para avançar com os direitos previstos na Declaração Universal. E destacou o que chamou de um progresso considerável da humanidade.

Educação

O secretário-geral destacou os avanços contra a discriminação, os ganhos em mais acesso à saúde e à justiça, à educação e às oportunidades de desenvolvimento.

Guterres destacou os avanços nos direitos das mulheres assim como da criança, de pessoas com deficiência, de vítimas de discriminação racial e religiosa, e uma multidão de direitos econômicos, sociais e culturais.

Ao comentar a prestação de contas em várias áreas, o secretário-geral citou a troca de regimes ditatoriais e opressivos por sistemas de governo mais participativos. E ressaltou que autores de violações terríveis de direitos humanos incluindo genocídio foram condenados por tribunais internacionais.

Ele disse que é preciso agradecer a uma geração de líderes mundiais convencidos que apenas a justiça poderá construir a paz entre as nações.

Paz

António Guterres também agradeceu a ativistas e defensores de direitos humanos, que são centenas de milhares de pessoas ao redor do mundo que se mobilizaram para defender os direitos fundamentais.

Mas ele lembrou que milhões de pessoas continuam sofrendo com violações e abusos dos direitos humanos.

E segundo ele, a paz e a segurança duradoura não podem ser alcançadas sem o respeito pelos direitos humanos.

Guterres disse que enquanto chefe das Nações Unidas fará todo o possível para erguer sua voz e a de todo o Sistema ONU para avançar com a igualdade, a dignidade e os direitos humanos.

Segundo ele, a Agenda 2030, de Desenvolvimento Sustentável, está enraizada neste conceito.

E afirmou que os direitos de todos devem ser respeitados independentemente de quem se trate, pois este é o caminho para um mundo de paz, dignidade e prosperidade.