Conferência da ONU mobiliza mais de US$ 2 bilhões a países do Caribe
BR

23 novembro 2017

Metade do valor é empréstimo e perdão a dívidas; objetivo do encontro era mobilizar apoio para reconstrução e resiliência de países e territórios na região afetados pelos furacões Irma e Maria; Brasil e Portugal estão entre os países doadores.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

Mais de 400 representantes de governos, organizações multilaterais, sociedade civil e setor privado se reuniram na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, em uma conferência de conferência de alto-nível organizada em parceria com a Comunidade Caribenha, Caricom.

O objetivo do encontro foi mobilizar apoio para a reconstrução e resiliência de países e territórios na região afetados pelos furacões Irma e Maria.

Resultados

Em Nova Iorque, a chefe de comunicação do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, na América Latina e no Caribe, Carolina Azevedo, falou com a ONU News sobre os resultados da conferência.

“Foram mais de US$ 2 bilhões, só que a metade disso foi em empréstimo e perdão da dívida, você sabe que muitos países do Caribe são altamente endividados, o que é um problema pra eles inclusive para o acesso ao financiamento. Vários países apoiaram. No total, US$ 1,3 bilhão em apoio financeiro, principalmente aos países mais afetados, que são Antígua e Barbuda e Dominica”.

Na entrevista, Carolina Azevedo citou as contribuições de dois países lusófonos: US$ 200 mil do Brasil e US$ 100 mil de Portugal.

Para ela, a Conferência foi bem-sucedida. Assista ao vídeo.

Solidariedade

“Foi muito interessante porque você pensa o que era o modelo antigo de ajuda externa para o desenvolvimento, que tinha os países ricos e os países não ricos e hoje em dia é muito mais uma onda de solidariedade global e muito mais alianças, parcerias e a Cooperação Sul-Sul, que são os países em desenvolvimento apoiando os países em desenvolvimento em temas de desenvolvimento social, econômico, ambiental, nesse caso a reconstrução depois de um desastre, veio com muita força. A nossa região mesmo na América Latina e Caribe, o México foi, por exemplo, em valor, o sexto que mais doou”.

Segundo o Pnud, as últimas estimativas indicam que os custos da recuperação passariam de US$ 5 bilhões.

Mudança Climática

Carolina Azevedo ressaltou que a questão do clima também foi abordada na Conferência de terça-feira.

“A gente viu muitos primeiros-ministros se queixando, acabaram de voltar de Bonn, da Conferência das Partes sobre a Mudança Climática e muita frustração de pouca ação climática, e eles estão sofrendo na pele. E apesar de que não causaram o problema, são eles que estão sendo mais fortemente, estão sentindo isso mais na pele.  Você tem os furacões com mais intensidade e com a frequência maior, é por causa da mudança climática e isso os cientistas já comprovam, como disse o próprio secretário-geral”.

image
Secretário-geral caminha na área de Codrinton ao encontro de habitantes em Antígua e Barbuda. António Guterres visitou o país em outubro. Foto: ONU/Rick Bajornas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, participou do encontro na sede da ONU. Ele fez um chamado aos participantes a fazerem do Caribe a "primeira região resiliente ao clima do mundo" e declarou que as Nações Unidas estão plenamente comprometidas com esse objetivo.Notícias Relacionadas:

No Caribe, Guterres afirma que auxílio é de responsabilidade internacional

Unicef amplia ações na América Latina e Caribe devido a desastres naturais

Reduzir risco de desastres vital para desenvolvimento sustentável 

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud