Em reunião na EU, diretor da Unesco apela: “parem de usar o termo fake news”
BR

17 novembro 2017

Para Guy Berger, o abandono da expressão é a melhor maneira de evitar que notícias falsas se espalhem; ele discursou numa conferência da Comissão Europeia, encerrada em 14 de novembro, em Bruxelas, na Bélgica.

Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.

Uma reunião da Comissão Europeia, o braço executivo da União Europeia, EU, debateu em Bruxelas, na Bélgica, formas de acabar com a desinformação na internet.

A Confertência sobre “Fake News”, ou notícias falsas, foi encerrada no último dia 14, e contou com a presença de um diretor da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco.

Empresas

Em sua apresentação, Guy Berger, diretor para Liberdade de Expressão e Desenvolvimento de Mídia afirmou que a melhor forma de combater as notícias falsas é deixar de usar o termo “fake news”.

Berger contou que aconselhou a agência da ONU a abandonar o título, e apelou às empresas de notícias que melhorem seus padrões para fornecer alternativas críveis à desinformação.

O diretor explicou ser esta a razão de a Unesco cooperar com a União Europeia no apoio a conselhos de imprensa para a transição digital.

O risco de usar a expressão “fake news”, segundo Berger, é o de minar toda a notícia. Ele lembrou que o diretor-geral assistente para Comunicação e Informação da Unesco, Frank la Rue, que considera o termo uma contradição.

Narrativas

Berger repetiu a explicação de la Rue: se é falsa não é notícia. Se é notícia, não pode ser falso.

Para a Unesco, combinar os dois termos é um desserviço e só ajuda ao cinismo e ao relativismo.

Para o diretor da agência, usuários especialmente jovens estão formando suas identidades e precisam das habilidades para compreender como todas as narrativas: notícia, entretenimento e propaganda constroem essas identidades.

Berger falou ainda da Literacia de Mídia e Informação (MIL, em inglês) e como ela pode ajudar a instruir os usuários sobre como tem sido chamados os aplicativos de “arquiteturas de persuasão e vícios”.

O Mil ainda pode ajudar a preparar os usuários para criações digitais futuras que escondem a manipulação em vídeos e arquivos de voz, e para o abuso da inteligência artificial.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud