“Não há dúvidas” que forças sírias e Isil usaram armas químicas
BR

7 novembro 2017

Avaliação é do chefe do Mecanismo Conjunto de Investigação da ONU e da Organização para a Proibição de Armas Químicas, JIM, sobre dois incidentes investigados; Edmund Mulet falou ao Conselho de Segurança nesta terça-feira.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

Segundo o chefe do Mecanismo Conjunto de Investigação da ONU e da Organização para a Proibição de Armas Químicas, conhecido como JIM, “não há dúvidas” que em dois incidentes investigados pelo órgão este ano, armas químicas foram usadas pelo governo da Síria e pelo grupo terrorista Daesh, também conhecido como Estado Islâmico do Iraque e do Levante, Isil.

Edmund Mulet apresentou ao Conselho de Segurança nessa terça-feira as conclusões de um painel do JIM.

Investigação

Em entrevista à ONU News, ele afirmou que o órgão realizou uma investigação “minuciosa, profissional e científica” sobre os ataques químicos realizados em Khan Shaykhun, na Síria, onde mais de 90 pessoas morreram em abril, e na área de Um Hosh, em setembro de 2016.

Segundo Mulet, o relatório concluiu que o grupo Isil foi responsável pelo uso de gás mostarda em Um Hosh no ano passado e que o governo sírio foi responsável pelo uso de gás sarin em Khan Shaykhun, cidade da província de Idlib, em abril deste ano.

O mandato do JIM termina em 16 de novembro e Mulet disse esperar que este seja renovado pelo Conselho se Segurança.

Ele defendeu que o grupo tem “muitos outros incidentes para investigar, não apenas sobre o uso de sarín, mas também a utilização de cloro como arma química” que, segundo o chefe do mecanismo conjunto, também afetou a visa de muitas pessoas na Síria.

Notícias Relacionadas:

Uso de armas químicas na Síria é "indiscutível", diz painel de investigação

Opaq confirma uso de arma química em Idlib, na Síria