ONU quer que membros do Isil respondam a tribunal após retomada de Mossul
BR

2 novembro 2017

Maioria das 2,5 mil mortes foi atribuída ao grupo terrorista; relatório recomenda que integrantes respondam a crimes internacionais; informe pede investigação de atos do Exército e de forças associadas na operação militar terminada em julho.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.*

Pelo menos 2.521 civis foram mortos na operação militar de nove meses que libertou a cidade iraquiana de Mossul que estava no comando do grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante, Isil.

Um relatório das Nações Unidas, lançado esta quinta-feira em Genebra, revela que grande parte dessas ações foi principalmente atribuída ao grupo terrorista.

Pessoas executadas

O levantamento indica que 741 pessoas foram executadas na operação que  retomou a cidade em julho. O local era controlado pelo Isil  desde 2014. Pelo menos 1.673 ficaram feridas.

O Isil cometeu violações graves e sistemáticas que representam "crimes internacionais" na campanha militar, segundo a Missão da ONU no Iraque, Unami, e o Escritório para os Direitos Humanos.

O informe cita testemunhas relatando raptos em massa de civis, uso de milhares de pessoas como escudos humanos, bombardeios intencionais a residências e alvos civis de forma indiscriminada na tentativa de fugir da cidade.

Há uma semana, o Corpo de Defesa Civil recuperou cadáveres de 1.642 pessoas embaixo dos escombros na cidade.

Deslocados

Segundo o documento, 824 mil pessoas foram forçadas a fugir de Mossul como resultado das operações militares.

Desde 2014, pelo menos 74 valas comuns foram descobertas em áreas iraquianas que antes eram ocupadas pelo Isil. O número de corpos em cada cova varia de pequenas quantidades para milhares.

De acordo com o relatório, as autoridades iraquianas devem investigar alegadas violações e abusos dos direitos humanos cometidos pelo Exército e pelas forças associadas durante a operação militar.

Resultados

Pelo menos 461 civis morreram após ataques aéreos desde fevereiro, na fase mais intensa da ofensiva.

Os autores não puderam determinar a responsabilidade pelos atos, mas pedem que todas as ações onde as vítimas eram civis e a comunidade internacional esteve envolvida devem ser investigadas minuciosamente com a divulgação de resultados.

Tribunais

O pedido ao governo do Iraque e às autoridades da região autônoma do Curdistão é que garantam que os crimes do conflito armado estejam sujeitos à jurisdição dos tribunais nacionais.

O informe pede alterações imediatas à lei nacional para que exerça jurisdição doméstica sobre crimes internacionais e ao país que aceite a jurisdição do Tribunal Penal Internacional para a situação específica que enfrenta.

O relatório destaca que os responsáveis por “crimes internacionais” em Mossul sejam levados ao tribunal. Segundo o documento, o Iraque enviaria uma mensagem ao povo que sofreu “que a justiça será feita”, independentemente de quando ou onde.

*Apresentação: Monica Grayley.

Notícias relacionadas:

Agosto fecha com 188 mortos em violentos ataques no Iraque

Iraque: Justiça vital para ajudar vítimas de violência sexual do Isil

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud