Agências da ONU providenciam água potável para deslocados somalis

30 outubro 2017

Comunidades de acolhimento encontram-se sobrecarregadas aumentando a demanda por serviços básicos; poços estão a ser reabilitados para fornecer acesso à água segura e limpa.

Denise Costa da ONU News, em Nova Iorque.

A Agência Internacional para Migrações, OIM, trabalha em parceria com o governo da Somália e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, para melhorar o acesso à água potável para mais de 45 mil deslocados internos na Somália.

O projeto pretende ajudar comunidades de acolhimento no Sudoeste de Baidoa, na Somália. A área está a sofrer uma seca prolongada. A OIM, juntamente com o Pnud, trabalha para fornecer melhor acesso à água, saneamento e higiene.

Seca

A temporada de chuvas na Somália foi significativamente baixa este ano, criando secas severas na região. A cidade de Baidoa tem sido uma das áreas mais afetadas e atualmente detém um dos maiores números de deslocados internos na Somália.

De acordo com a OIM, existem mais de 243 mil pessoas que migraram para a área entre novembro de 2016 e setembro de 2017.

As capacidades de acolhimento em Baidoa encontram-se sobrecarregadas, aumentando a demanda por serviços básicos e deteriorando as condições de vida nos assentamentos e nas comunidades de acolhimento.

Poços.

As iniciativas das agências da ONU, com o apoio do Governo Federal e do Plano Nacional de Desenvolvimento da Somália, providenciam serviços sustentáveis de abastecimento de água ao deslocados internos e à população vulnerável ao desastre.

Os poços estão a ser reabilitados para fornecer acesso a água segura e limpa às áreas afetadas pela seca. O projeto também inclui a construção de tanques de água e a entrega de água por caminhões.