ONU quer inovação para segurança, desenvolvimento e governação no Sahel
BR

30 outubro 2017

Conselho de Segurança discutiu apoio à força internacional que combate extremismo na região africana; secretário-geral pediu reforço do órgão; participam do grupo: Burquina Fasso, Chade, Mali, Níger e Mauritânia. 1710306

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

O secretário-geral disse ao Conselho de Segurança que a urgência da situação na região do Sahel requer ações inovadoras para apoiar os esforços da chamada Força G-5-Sahel em áreas como segurança, desenvolvimento e governação.

Esta segunda-feira, o órgão realizou um debate dedicado à força internacional de combate ao extremismo que integra Burquina Fasso, Chade, Mali, Níger e Mauritânia.

Graves Consequências

Discursando em francês, Guterres declarou  que está a esgotar-se o tempo da ação e que esta precisa unir esforços para abordar as causas profundas da instabilidade na região africana. Para o chefe da ONU, a falta de ação poderia ter graves consequências para a região e além dela.

António Guterres declarou que a criação da Força Conjunta expressa a vontade dos integrantes de cooperar e enfrentar a ameaça em conjunto. Ele disse haver oportunidade de apoiar estas nações para que revertam o curso dos eventos.

Apoio político

Outro pedido de Guterres ao Conselho é que haja mais ambição nas suas opções, tendo destacado que é crucial um forte apoio político com material e nas operações do G-5-Sahel.

O secretário-geral acrescentou que embora a cooperação em segurança seja essencial, apenas uma resposta multidimensional irá pôr fim à instabilidade na região. Essa intervenção deve ser reforçada nas áreas de governação, desenvolvimento e resiliência.

Notícias relacionadas:

Conselho de Segurança visita o Sahel  

Força conjunta é "oportunidade única" de enfrentar desafios no Sahel