Não culpe apenas o professor quando o culpado é o sistema, afirma Unesco
BR

24 outubro 2017

Novo relatório da agência fala de responsabilidade partilhada no sistema educativo; menos de 20% dos países em todo o mundo garantem legalmente 12 anos de educação gratuita e obrigatória.

Denise Costa da ONU News, em Nova Iorque.

Culpar o professor ou a escola por problemas no sistema educacional pode ter sérios efeitos colaterais negativos além de aumentar a desigualdade e prejudicar a aprendizagem, segundo um relatório publicado esta terça-feira.

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, destaca a responsabilidade dos governos em fornecer uma educação universal de qualidade.

Responsabilidade

De acordo com a diretora-geral da agência, Irina Bokova, "a educação é uma responsabilidade compartilhada entre todos - governos, escolas, professores, pais e atores privados".

Ela acrescentou que o cumprimento dessas responsabilidades define o modo como professores ensinam, estudantes aprendem e governos agem. A educação deve ser planeada com cautela e com os princípios de igualdade, inclusão e qualidade.

O relatório intitulado Responsabilidade na educação: cumprir nossos compromissos é o segundo da série de relatórios sobre o Monitoramento Global da Educação, que analisa o progresso rumo ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável para Educação.

Faltas

O estudo mostra que culpar os professores por ausência escolar e por resultados insatisfatórios em testes é, de maneira geral, injusto e destrutivo.

Por exemplo, entre 2013 e 2014, quase metade da ausência escolar dos professores na Indonésia ocorreu devido à permissão de tempo livre para estudar, sem que o governo tivesse oferecido professores substitutos.

Na União Europeia, entre 2009 e 2014, 38% das propostas de educação e formação só apresentaram um licitante, em comparação com 16% das propostas no setor da construção. A Unesco revela que a situação indica que o risco de corrupção é maior na educação do que no setor de construção.

Governos

O documento enfatiza a importância da responsabilidade para enfrentar lacunas e desigualdades. A nível mundial, menos de 20% dos países garantem legalmente 12 anos de educação gratuita e obrigatória. Atualmente, há 264 milhões de crianças e jovens fora da escola, e 100 milhões de jovens incapazes de ler.

Segundo a Unesco, nenhuma abordagem à responsabilização será bem-sucedida sem um ambiente sólido, que forneça aos responsáveis recursos adequados, capacidade, motivação e informação para cumprir com os seus compromissos.

A agência pede aos governos que ofereçam às escolas e aos professores mecanismos de responsabilização que evitam métodos punitivos, especialmente aqueles com base em medidas limitadas de desempenho.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud