ONU: era digital deve garantir prosperidade para todos
BR

2 outubro 2017

Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, lançou relatório sobre economia da informação nesta segunda-feira; Brasil é agora quarto maior país em número de usuários da internet.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, afirmou que a digitalização está impactando todos os aspectos da produção e do comércio, das maiores corporações aos menores comerciantes.

No entanto, há um risco de que o fenômeno leve a um aumento na desigualdade de renda. A conclusão está no Relatório sobre Economia da Informação 2017: Digitalização, Comércio e Desenvolvimento, lançado pela agência nesta segunda-feira.

Comércio eletrônico

Segundo a Unctad, as tecnologias de informação e comunicação, o comércio eletrônico e outras aplicações digitais estão ajudando um número cada vez maior de pequenas empresas e empreendedores em países em desenvolvimento a se conectarem com mercados globais e a abrirem novas formas de gerar renda.

A economia digital está se expandindo rápido no chamado Sul Global. Países em desenvolvimento, liderados pela China e pela Índia, representaram cerca de 90% das 750 milhões de pessoas que entraram na internet pela primeira vez entre 2012 e 2015, de acordo com dados da União Internacional das Telecomunicações, UIT.

O chefe da Unctad, Mukhisa Kituyi, ressaltou o “poder transformador da digitalização”, mas afirmou que “políticas nacionais e internacionais eficazes são necessárias para garantir que os ganhos sejam distribuídos igualmente entre e dentro dos países”.

O relatório mostra que mais de metade da população mundial permanece desconectada, e o ritmo do crescimento no acesso e uso está diminuindo. Nos países menos desenvolvidos, apenas uma em cada seis pessoas usou a internet em 2016.

Economia digital

Segundo o estudo, até 2019 o tráfego global na internet deve ser 66 vezes maior do que em 2005.

A produção de bens e serviços na área da tecnologia de informação e comunicação representa cerca de 6,5% do Produto Interno Bruto, PIB, global. O setor emprega atualmente cerca de 100 milhões de pessoas.

O relatório também aponta desafios. Por exemplo, redes 3G cobrem 89% das áreas urbanas, mas apenas 29% das zonas rurais. Países de renda baixa têm as maiores lacunas.

Com cerca de 16% das pessoas em países menos desenvolvidos usando a internet em 2016, a agência chama atenção que a meta de acesso universal colocada nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs, está longe de ser alcançada.

África

Segundo o documento, e economia digital está evoluindo na África, mas em velocidades diferentes. Enquanto na Nigéria 32 milhões de pessoas começaram a usar a internet entre 2012 e 2015, em outros países africanos, incluindo na República Centro-Africana, na Eritreia e no Sudão do Sul, serviços de telefonia móvel ainda chegam a menos de um terço da população.

Para a diretora da Divisão de Tecnologia e Logística da Unctad, Shamika Sirimanne, “muitos países africanos precisam se preparar melhor para aproveitar as oportunidades da digitalização e evitar seus impactos negativos”.

O relatório da Unctad mostra que a África está atrasada em aspectos de comércio eletrônico como conexão, soluções para pagamento, logística, segurança da internet e quadros legais. Por exemplo, menos de 40% das nações do continente adotaram leis sobre privacidade de dados.

Mesmo assim, a digitalização está impactando cada vez mais as economias africanas de diversas formas. Segundo o estudo, o uso de grandes dados, inteligência artificial e impressão 3D são exemplos. O comércio electrónico é outra área que está crescendo rápido na região.

América Latina

Na América Latina e no Caribe o uso da internet e de outras tecnologias digitais cresceu em muitos países nos últimos anos, mas segundo o relatório essa evolução pode ser melhor aproveitada na maioria dos países da região.

O estudo da Unctad mostra que o Brasil é agora a quarto maior país em número de usuários da internet e o México vem em nono lugar. Mais de um terço dessas pessoas esteve conectada pela primeira vez entre 2012 e 2015. No entanto, em muitos países da região, a probabilidade de usuários da internet fazerem compras pela rede ainda é baixa.

Por exemplo, na Colômbia, no México e no Paraguai, menos de 10% dos internautas fazem compras pela internet enquanto um índice muito maior participa em redes sociais.

Notícias Relacionadas:

Direitos Humanos da ONU e Microsoft anunciam parceria inédita

ONU marca Dia Internacional das Meninas na Tecnologia da Informação

Fórum da internet discute desafio para conectar 3,9 bilhões de pessoas

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud