São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau discursam no 3º dia da Assembleia Geral
BR

21 setembro 2017

Dos países lusófonos, Brasil e Portugal já fizeram suas apresentações; esta quinta-feira é também o Dia Internacional da Paz; especialista independente da ONU pediu a países que transformem “economias de guerra em economias de paz”.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

Os debates gerais da 72ª sessão da Assembleia Geral da ONU continuam esta quinta-feira com a participação de dois países lusófonos: São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau. Brasil e Portugal discursaram nos primeiros dois dias do evento.

Dia da Paz

Este 21 de setembro é também o Dia Internacional da Paz. Na véspera da da ta, o especialista independente das Nações Unidas para a promoção de uma ordem internacional democrática e justa, Alfred de Zayas, pediu aos Estados que transformem “economias de guerra em economias de paz

Na sede da ONU, em Nova Iorque, a data foi celebrada antecipadamente, devido aos debates da Assembleia Geral. Na ocasião, o secretário-geral, António Guterres, tocou o sino da paz e pediu solidariedade a refugiados e migrantes, num momento em que "portas e mentes estão sendo fechadas a eles". 

Em mensagem de vídeo para marcar o Dia Internacional da Paz, Guterres ressaltou o pedido das Nações Unidas aos combatentes em todo o mundo para que baixem suas armas e respeitem um cessar-fogo mundial de um dia.

Notícias Relacionadas:

Países assinam Tratado de Proibição de Armas Nucleares na ONU

ONU "continua representando esperança", diz Temer na Assembleia Geral

ONU deve liderar "aumento da diplomacia" para paz, diz Guterres