Guterres e Trump reúnem-se na ONU sobre reforma da organização
BR

18 setembro 2017

Secretário-geral ressaltou “agenda de reforma ampla e ousada para fortalecer as Nações Unidas”; até o momento 128 países assinaram declaração de apoio à reforma das Nações Unidas.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, participou nesta segunda-feira de uma reunião de alto nível sobre a reforma da ONU. O encontro foi presidido pelos Estados Unidos e contou com a presença do líder norte-americano Donald Trump.

Trump afirmou que as Nações Unidas foram fundadas sob “objetivos nobres”, mas que “nos últimos anos não alcançou seu pleno potencial”.

Trabalho crucial

O presidente dos Estados Unidos saudou o secretário-geral e seu chamado para que a ONU se concentre mais nas pessoas e menos na burocracia”.

Em seu discurso, o secretário-geral pediu que não se deve esquecer que a ONU está a serviço de pessoas que “sofrem com pobreza e exclusão, vítimas de conflito, indivíduos cujos direitos e dignidade estão sendo negados e pessoas que têm ideias e sonhos e que precisam de ajuda”.

Guterres declarou que a reforma é para essas pessoas, para os contribuintes que garantem esse trabalho crucial e para todos servindo sob a bandeira da ONU.

Segundo o secretário-geral, para servir às pessoas que a organização apoia e também às pessoas que apoiam a organização, a ONU precisa ser “ágil e eficaz, flexível e eficiente”.

Reforma ampla

Ele ressaltou que existe progresso em uma “agenda de reforma ampla e ousada para fortalecer as Nações Unidas”.

Guterres citou iniciativas para acabar com exploração e abuso sexuais, para alcançar paridade de gênero na ONU, proteger pessoas que fazem denúncias e fortalecer estruturas de contraterrorismo.

O secretário-geral mencionou ainda a reforma nas áreas de desenvolvimento e de paz e segurança, para garantir que a organização seja “mais forte em prevenção, mais ágil em mediação, e mais eficaz e econômica nas operações de paz”.

Eficiência e transparência

E para apoiar todos esses esforços, ele afirmou estar buscando uma ampla reforma administrativa. O objetivo é “simplificar os procedimentos e descentralizar as decisões, com maior transparência, eficiência e responsabilidade”.

Potencial

Guterres lembrou que Donald Trump muitas vezes disse que a ONU tem um “enorme potencial” e disse ser responsabilidade de todos estar à altura deste potencial.

Para o secretário-geral, o objetivo partilhado é uma ONU do século 21, concentrada mais em pessoas e resultados e menos em processo e burocracia.

Segundo Guterres, o verdadeiro teste da reforma será medido através de resultados tangíveis nas vidas das pessoas que a organização serve e na confiança dos que apoiam o trabalho da ONU através de seus recursos.

Declaração de apoio

Abrindo a reunião, a embaixadora dos Estados Unidos junto à ONU, Nikki Haley, afirmou que a declaração de apoio à reforma das Nações Unidas surgiu como uma forma de apoiar as ações do secretário-geral para trazer “mais eficiência, prestação de contas e transparência para ONU”.

Segundo Haley, até o momento 128 países assinaram o documento. A embaixadora defendeu, no entanto, que a missão deve ser buscar o consenso de todos os 193 Estados-membros da organização.

Notícias Relacionadas:

Em artigo para Newsweek, Guterres diz que mundo precisa de mudanças 

ONU anuncia grupo de mediadores e mais iniciativas sobre gênero 

Assembleia Geral da ONU aprova criação de Escritório de Contraterrorismo