Forças do Brasil dizem adeus ao Haiti
BR

31 agosto 2017

País lusófono liderou tropas internacionais desde 2004; comandante destaca ação humanitária, combate às gangues e apoio ao processo eleitorais como parte do legado da atuação no país.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

As tropas brasileiras dizem adeus esta quinta-feira à operação de 13 anos na Missão das Nações Unidas no Haiti, Minustah.

Falando à ONU News, de Porto Príncipe, o comandante das forças da operação de paz, Ajax Porto Pinheiro, destacou as marcas da presença brasileira no país caribenho.

Rumos

“Missão cumprida. Nós estamos saindo na hora certa. Nós ajudamos o Haiti a alçar rumos mais altos. Eu costumo dizer que é como se nós tivéssemos treinado juntos. Nós e eles preparamos o avião para decolar. Eles vão descolar agora. Nós partimos tristes porque a missão está se encerrando. É um duplo sentimento de tristeza e, ao mesmo tempo, de felicidade por ter cumprido a missão que nos foi delegada pelas Nações Unidas”.

O momento em que vai descer a bandeira do Brasil na operação de paz marca o fim da saída gradual de contingentes de vários países na sequência da resolução do Conselho de Segurança que extingue a missão a 15 de outubro.

No dia seguinte entrará em ação a nova missão com a sigla Minusjusth cujo foco será para o apoio ao Estado de direito, à polícia e aos direitos humanos no Haiti.

Para o general Ajax Porto Pinheiro, a imposição da ordem após o controlo de gangues em áreas haitianas é somente uma parte do papel das tropas de paz, que incluiu o apoio aos processos eleitorais.

Eleições

“São três eleições presidenciais. A última encerrou agora com a assumpção do presidente em 7 de fevereiro. O início das operações, os atritos depois de 2010, a ajuda humanitária e o ataque às gangues novamente. As três eleições presidenciais, o grande trabalho que se teve após o furacão que atingiu o país em 4 de outubro do ano passado. Se eu tivesse que sintetizar, além de todo um trabalho anônimo que foi feito, esses seriam os quatro grandes marcos que nós tivemos na missão.”

image
Tropas brasileiras ajudaram a controlar gangues em áreas haitianas. Foto: Minustah.

O Brasil contribuiu com a maior número de tropas para a missão que atualmente tem um limite de 6,7 militares, 1.622 elementos da polícia e 550 funcionários civis internacionais.O país lusófono assumiu o comando militar das tropas internacionais no Haiti desde o início da missão que tinha como mandato acabar com a violência e com a instabilidade política no país.

Mais de 150 voluntários das Nações Unidas e cerca de 1 mil funcionários civis haitianos trabalharam na operação de paz.

Notícias relacionadas:

Exclusiva: "Missão cumprida. Nós estamos saindo na hora certa" do Haiti

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud