Jerusalém: Guterres reafirma combate ao antissemitismo
BR

28 agosto 2017

Secretário-geral destacou que testemunho de sobreviventes deve ser repetido por todos; chefe da ONU citou expulsão dos judeus em Portugal no Século XVI como o momento mais mais trágico de todos do antissemitismo no país.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

O secretário-geral visitou esta segunda-feira o Yad Vashem, um memorial em homenagem às vítimas do Holocausto em Jerusalém.

António Guterres disse a jornalistas que tratava-se de um tributo ao povo judeu, “vítima do mais horrível crime contra a humanidade na história da raça humana”.

Gerações

O chefe da ONU destacou ainda que o local homenageia a coragem dos sobreviventes e que seu  testemunho deve repetido por todos “para garantir que as futuras gerações nunca se esqueçam do Holocausto”.

Guterres afirmou que o Holocausto não foi uma “louca iniciativa de um grupo de nazistas paranoicos, mas a combinação de milénios de perseguição e discriminação do povo judeu no que se chama antissemitismo.”

Ele disse que o preconceito foi vivido no seu próprio país de onde se lembrou que o momento mais mais trágico de todos foi a expulsão dos judeus no início do século XVI.

Discriminação 

image
Guterres destacou que antissemitismo deve estar morto para sempre. Foto: Shlomi.

Para Guterres, “o horror ao Holocausto deve ser de tal maneira que o antissemitismo deve estar morto para sempre”, tendo sublinhado que infelizmente, o tipo de discriminação ainda é observado e está “bem vivo”.O chefe da ONU disse ter ficado chocado há alguns dias atrás ao ouvir um grupo de neonazistas num país desenvolvido no mundo cantando "sangue e solo" – um slogan dos nazistas.

O secretário-geral considera esse ato uma demonstração dramática do dever de se fazer todo o possível e para se combater o antissemitismo em todas as suas expressões. Ele prometeu que no mandato assumiu plenamente o compromisso de fazer todo o possível nesse sentido.

Guterres disse ainda que está realmente empenhado em combater o antissemitismo, o racismo, a xenofobia, o ódio anti-muçulmano e todas as outras formas de fanatismo.

António Guterres reuniu-se com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu após um encontro com o presidente israelita Reuven Rivlin.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud