Agência da ONU lança pesquisa sobre migração de haitianos na América do Sul
BR

21 agosto 2017

Estudo faz parte de uma série de projetos que a OIM está implementando na região em relação ao tema; Brasil é o país com o maior número haitianos. 

Laura Gelbert Delgado, da ONU New em Nova Iorque.

A Organização Internacional para Migrações, OIM, e o Instituto de Políticas Públicas sobre Direitos Humanos do Mercosul lançaram uma avaliação sobre a migração do Haiti para países membros e associados ao bloco.

Os trabalhos de campos foram realizados em São Paulo no Brasil, Santiago no Chile, e Buenos Aires na Argentina.

Brasil

O estudo usou questionários institucionais e normativos sobre migrantes haitianos em cada um dos países do Mercosul. Além disso, o trabalho incluiu entrevistas com foco nas condições e estratégias de recepção e assistência aos migrantes do Haiti em São Paulo, Santiago e Buenos Aires.

De acordo com a pesquisa, o Brasil é o país com o maior número de haitianos.  Até o fim de 2016, 67 mil residências haviam sido concedidas, entre temporárias e permanentes. No Chile foram 18 mil permissões até o fim de 2015 e na Argentina menos de 1,2 mil.

O estudo inclui recomendações de políticas públicas em duas áreas de ação: procedimentos de entrada e vistos e mecanismos de integração no país de destino.

Para o especialista da OIM e coordenador do estudo, Matteo Mandrile, o dinamismo da diáspora haitiana exige o desenvolvimento e implementação de políticas públicas de mobilidade e integração, especialmente considerando que migrantes do Haiti na América do Sul se estabeleceram, mas, ao mesmo tempo, uma parte continua se movendo dentro da região.

O estudo foi financiado pelo Fundo de Desenvolvimento da OIM e o Governo do Brasil. A pesquisa faz parte de uma série de projetos que a OIM está implementando na América do Sul em relação à migração haitiana. Estes incluem um estudo sobre o fluxo ao Brasil em 2014, que analisou as principais rotas migratórias ao país, e uma pesquisa em 2016 sobre a inserção de haitianos no mercado de trabalho na região sul e no Distrito Federal.

Notícias Relacionadas:

Vídeo: A despedida do Haiti

Brasil doa vacinas contra raiva humana para o Haiti

Haiti: ONU afirma que modelo da Minustah pode ser replicado no mundo 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud