ONU apoia Angola na transferência de milhares de refugiados congoleses
BR

15 agosto 2017

Antigos residentes de Cacanda e Mussunge  recebem lote de terra para construir abrigos e produzir alimentos; operação já movimentou cerca de 1,5 mil refugiados da RD Congo que estavam em centros de receção em Angola.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

Angola começou a transferir mais de 33 mil refugiados congoleses de dois acampamentos provisórios lotados no norte para a um novo na municipalidade de Lóvua.

A Agência da ONU para Refugiados, Acnur, e os seus parceiros começaram a movimentar as pessoas para a área situada a mais de 85 km dos campos atuais. Lóvua está localizado a 100 km da fronteira com a vizinha República Democrática do Congo, RD Congo.

Congoleses

image
Foto: ONU Angola

O Governo de Angola colocou cerca de 33 km2 de terra ao dispor dos refugiados para melhorar as condições de vida dos congoleses.O coordenador residente das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, disse à ONU News que também é preciso estuimular a convivência saudável entre angolanos e congoleses. Ele falou do apoio dado pela organização ao processo.

“Estiveram envolvidas agências das Nações Unidas como Unrc e o Unicef a trabalhar juntas com a governação para criar as condições como abrir fundamentalmente a estrada e começar a limpar porque estamos numa situação de mato. Há muitas árvores. Há que começar a predispor a alocação. Para isso também foram contratados vários refugiados. Neste momento temos já, desde o dia 8 de agosto, mais de 1 mil refugiados deslocados a esta nova área.”

Os residentes do novo acampamento devem receber um lote de terra para construir abrigos e cultivar alimentos para compor as suas rações alimentares.

Uma semana depois do início do início da operação, cerca de 1,5 mil refugiados saíram do centro de receção de Mussunge para o novo local.

Desde março passado congolês recebem ajuda humanitária centros de acolhimento temporários de Cacanda e Mussunge bem como das comunidades vizinhas de Dundo, a capital da província da Lunda Norte.

Segurança

Milhares de congoleses fugiram da violência e das tensões étnicas na área Kassai da RD Congo ao norte de Angola.  Numa altura em que a segurança continua volátil na área de Kassai, as autoridades angolanas e o Acnur dizem estar preparados para oferecer proteção e apoio a até 50 mil refugiados congoleses até o final de 2017.

Em junho, a agência da ONU pediu US $ 65,5 milhões para continuar a desenvolver infraestrutura e serviços para refugiados em Lovua dos quais recebeu 32%.

Notícias relacionadas:

RD Congo: relatório da ONU indica cumplicidade do governo em massacres 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud