Unesco condena mortes de jornalistas no México e na Síria
BR

10 agosto 2017

Sírio Bassel Khartabil Safadi morreu numa prisão; já Luciano Rivera Salgado foi morto a tiros no estado mexicano de Baja California; chefe da agência da ONU, Irina Bokova, pediu investigação de ambos os casos.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque. 

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, Irina Bokova, condenou a morte do trabalhador da mídia sírio e promotor da internet aberta, Bassel Khartabil Safadi. Safadi perdeu a vida numa prisão na Síria, na semana passada.

Bokova também denunciou o assassinato do jornalista mexicano Luciano Rivera Salgado. Ele era apresentador de TV de um canal local e diretor do portal de notícias na internet El Dictamen.

Investigação

Salgado foi morto a tiros em uma bar em Playas de Rosarito, no estado de Baja California, em 21 de julho.

Irina Bokova pediu às autoridades mexicanas e sírias que investiguem e divulguem informações relacionadas às mortes desses jornalistas.

A chefe da Unesco emite declarações sobre o assassinato de trabalhadores da mídia conforme resolução 29 adotada pelos Estados-membros da agência em 1997. O documento é chamado "Condenação de Violência a Jornalistas". As declarações são publicadas em uma página dedicada à questão na internet.

Notícias Relacionadas:

Unesco revela que mais de 100 jornalistas foram assassinados em 2016

Unesco: mais de 800 jornalistas foram assassinados na última década 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud