Vítimas de insegurança alimentar aumentam para 16 milhões na África Oriental

24 julho 2017

Região sofreu terceira falha consecutiva da temporada chuvosa; FAO revela que cenário afetou resiliência das famílias; previsão é que condições piorem em toda a região.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.*

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, alertou que cerca de 16 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária na Somália, no Quénia, na Etiópia, na Tanzânia e no Uganda.

A agência destaca que o número de carenciados nos cinco países da África Oriental aumentou cerca de 30% desde o fim de 2016.

Pastagens

Com a falta de chuvas a fome piorou a situação, afetanado campos agrícolas e de pastagem e provocando a morte de milhares de animais.

Os níveis de precipitação caíram para menos de metade no centro e sul da Somália, no sudeste da Etiópia, nas regiões norte e leste do Quénia, no norte da Tanzânia e no nordeste e sudoeste do Uganda.

O Sistema Global de Informações e Alerta da FAO destaca que a falha da temporada chuvosa pela terceira vez consecutiva afetou a resiliência das famílias que agora precisam de apoio de subsistência “urgente e eficaz”.

Momento oportuno

O diretor de emergências da FAO, Dominique Burgeon, disse que a falta de chuvas deixa as famílias sem formas de lidar com a situação que precisa de apoio antes que piore rapidamente.

Na Somália, a assistência humanitária evitou a fome mas quase metade da população não sabe o que vai comer na refeição seguinte. A previsão é que as condições piorem em toda a região.

A FAO considera preocupante a situação de segurança alimentar para os pastores somalis, da Etiópia e do Quénia onde além da morte de muitos animais caiu a produção de leite dos animais sobreviventes.

*Apresentação: Denise Costa.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud