Perspectiva Global Reportagens Humanas

Unfpa defende mais ações de planeamento familiar na Guiné-Bissau

Maria Rosa Vaz (esq.) e a representante do Unfpa na Guiné-Bissau, Kourtoum Nacro. Foto: ONU News/Amatijane Candé

Unfpa defende mais ações de planeamento familiar na Guiné-Bissau

Fundo das Nações Unidas para a População apoiou jornada comemorativa do Dia Mundial da População; Ato central foi marcado por apelo da primeira-dama para a transformação de planeamento familiar em norma social.

Amatijane Candé, de Bissau para ONU News.

O Fundo das Nações Unidas para a População, Unfpa, deu corpo a uma sensibilização popular na Guiné-Bissau sobre as vantagens do planeamento familiar.

A iniciativa presidida pela primeira-dama guineense, Maria Rosa Vaz, marcou o 11 de julho, Dia Mundial da População.

Benefícios

No evento, a representante residente do Unfpa no país, Kourtoum Nacro, apresentou a membros do governo e a ativistas a declaração da agência da ONU que realça vantagens de planeamento familiar.

“O planeamento familiar é fundamental para alcançar o Objetivo número 1 de Desenvolvimento Sustentável, Acabar com a Pobreza. Também é fundamental para alcançar outros objetivos como acabar com a fome bem como promover a boa saúde e a igualdade de género”.

A primeira-dama pronunciou-se no evento na sua qualidade de madrinha de luta contra a mortalidade materna e infantil. Maria Rosa Vaz  disse que o planeamento familiar é uma forma de preservar o direito a saúde e à vida, além de promover nascimentos desejados.

Mortalidade Materna

Maria Rosa Vaz disse que este direito reprodutivo que assiste a mulher pode reduzir para um terço o número de mulheres e bebés que morrem durante o parto.

Maria Rosa Vaz apelou ao envolvimento de toda a sociedade em ações nesse sentido ao destacar que a vitória só será possível com a transformação do planeamento familiar em norma social.

“É minha responsabilidade hoje dizer não em voz alta. Não aos riscos associados à maternidade, não à morte prematura causada por negligência e ignorância, não a todas as formas de discriminação contra mulheres, não à gravidez indesejada, não à objetificação das mulheres, mas sim ao planeamento familiar”.

A comemoração deste 11 de julho decorreu sobre o lema Planeamento familiar: empoderamento das pessoas, desenvolvimento das nações.