Agricultura pode conter mudança climática e migração involuntária
BR

10 julho 2017

FAO e OIM pedem atenção a desenvolvimento rural; desastres climáticos estão deslocando uma pessoa por segundo.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

Segundo o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, José Graziano da Silva, a mudança climática representa um grande risco para a população na zona rural de países em desenvolvimento.

A questão, muitas vezes, leva à migração motivada por dificuldades. Para o chefe da agência da ONU, estimular a agricultura sustentável é uma parte essencial de uma política eficaz de respsota.

Uma pessoa por segundo

Falando num encontro durante a conferência da FAO, Graziano da Silva citou estudos mostrando que desde 2008, uma pessoa foi deslocada a cada segundo devido a desastres relacionados ao clima.

O número representa uma média de 26 milhões de pessoas por ano. Os dados sugerem que esta tendência deve se intensificar no futuro imediato enquanto as áreas rurais estão lutando para lidar com climas mais quentes e chuvas mais irregulares.

Para Graziano da Silva, a “solução para este grande desafio” está em reforçar as atividades econômicas que já envolvem grande parte das populações rurais.

Longo prazo

Já o diretor da Organização Internacional para Migrações, OIM, William Lacy Swing, lembrou que embora eventos mais lentos relacionados à mudança climática sejam menos visíveis que fenômenos extremos como furacões, por exemplo, eles “tendem a ter um impacto muito maior com o tempo”.

Swing citou a secagem durante 30 anos do Lago Chade, hoje em dia um local relacionado à crise alimentar. Ele afirmou que “muitos migrantes virão de áreas rurais, com potencial de impacto ainda maior na produção agrícola e nos preços dos alimentos”.

A FAO e a OIM pediram o reconhecimento das causas e do potencial da migração em políticas nacionais para mudanças climáticas e desenvolvimento rural.

Para Graziano da Silva, desenvolvimento agrícola e rural deve ser parte integral de soluções para desafios ligados ao clima, especialmente quando se relacionam à migração causada por dificuldades.

Ele mencionou serem necessários investimentos em meios de subsistência nas zonas rurais, oportunidades de emprego decente, especialmente para jovens, e planos de proteção social voltados a proteger pessoas de riscos e choques.

Grupo Global

A FAO e a OIM foram escolhidas como líderes em 2018 do Grupo Global sobre Migração, que reúne 22 instituições das Nações Unidas.

As agências estão trabalhando juntas em maneiras de combater as causas da migração, uma questão cada vez mais urgente para a comunidade internacional.

Notícias Relacionadas:

Em reunião da ONU, FAO lança plano para combater escassez de água

Agricultura comercial causou 70% do desmatamento na América Latina

FAO apresenta guia para produzir cereais maximizando ecossistemas naturais

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud