ONU exorta políticos a priorizarem resolução da crise na Guiné-Bissau

7 junho 2017

Situação no país foi abordada na Cimeira da Cedeao realizada em Monróvia; chefe do Escritório da ONU para África Ocidental falou de sucessos e desafios aos líderes da sub-região africana.

Amatijane Candé, de Bissau para a ONU News.

A Guiné-Bissau foi um dos temas de destaque na 51ª Cimeira dos chefes de Estado da Conferência Económica do Estados da África Ocidental, Cedeao, que exortou o presidente a cumprir com as disposições do acordo de Conacri.

No domingo, os líderes do bloco regional instaram todas as partes a respeitar o entendimento durante a reunião que estendeu por três meses a missão de manutenção de paz da Cedeao. Os participantes disseram estar determinados a sancionar possíveis obstrutores da implementação do acordo guineense.

Fundação

O chefe do Escritório Regional da ONU na África Ocidental, Mohamed Ibn Chambas, citou esforços de alguns países na modernização das instituições de governança que reflictam as aspirações do povo e reforcem a fundação para sociedades democráticas, coesas e resilientes.

O representante instou os intervenientes da Guiné-Bissau a priorizarem e acelerarem as consultas para acabar com o prolongado bloqueio institucional que continua a alimentar instabilidade politica e piorar as difíceis condições sócio económicas do país e do povo. Para ele, os eventos na Cote d’Ivoire provam que trazer o setor de segurança sob total controlo democrático deve ser prioridade.

Presença

Chambas disse que as Nações Unidas estão preocupadas com o “estado de ilegalidade que criou zonas ingovernáveis no Sahel onde dificilmente se sente a presença do Estado.

Para o enviado, a insegurança criou situações em que extremistas violentos competem com redes criminosas para controlar as referidas áreas, obrigando comunidades locais e grupos vigilantes a pegarem em armas para proteger suas famílias, terras e propriedades.

O enviado louvou a iniciativa de combate ao crime organizado e transnacional com a instituição da Força conjunta de Sahel pelo Mali, Níger, Burquina Faso, Chade e Mauritânia.

Boko Haram

Outra medida elogiada por Chambas foi a libertação de 82 meninas sequestradas pelo Boko Haram na Nigéria e a eleição para membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU da Cote d’Ivoire, também conhecida por Costa do Marfim.

Chambas destacou que no momento em que são celebrados sucessos da região, deve ser reconhecido que fontes de preocupação persistem. Ele destacou que nos últimos meses, homens em motos entraram em escolas, gritando que a educação deve parar, professores foram ameaçados ou mortos e símbolos de autoridade de Estado foram atacados.

Reformas

Além da necessidade de combater ideologias extremistas e de exclusão, o representante especial ressalva a importância de promover a transparência governativa melhorada.

As outras prioridades são o desenvolvimento inclusivo, o combate e a prevenção da injustiça além da impunidade “como forma de garantir sociedades pacíficas”.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud