“O mar tem muito a dar à Guiné-Bissau”, diz representante guineense

6 junho 2017

Ministro do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do país lusófono falou à ONU News às margens da Conferéncia dos Oceanos; para António Embaló, “preservação é fundamental”.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

O mar está ligado à economia e é a “base do sustento de muitos países costeiros”, na opinião do ministro do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Guiné-Bissau, António Embaló.

O representante falou à ONU News em um debate na segunda-feira às margens da Conferência sobre os Oceanos.

“Relançar a economia”

António Embaló falou ainda de projetos em colaboração com o Ministério das Pescas.

“Estamos a tentar relançar a economia através do mar juntamente com o Ministério das Pescas para que haja um desenvolvimento sustentável e criação de emprego para os nossos jovens. O mar tem muito a dar à Guiné-Bissau.”

Preservação e turismo

Para o ministro, “preservação é fundamental”. O representante falou ainda sobre a procura do país como um polo turístico.

“É uma procura imensa das entidades económicas, querem investir nas áreas, no turismo em particular, estão a procura da Guiné-Bissau como polo turístico e nós, com isso, estamos a estudar todos os prós e contras para que de facto a nossa zona seja preservada. Para a Guiné-Bissau e para o mundo.”

A Conferéncia sobre os Oceanos começou na segunda-feira, na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, e decorre até sexta-feira, 9 de junho.

Notícias Relacionadas:

"Da minha língua vê-se o mar", declara Guterres na Conferência de Oceanos

ONU realiza primeira conferência mundial sobre oceanos

Países assinam acordo histórico para acabar com a pesca ilegal 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud