FAO quer aposta no comércio formal para melhorar perspetivas para africanas

26 maio 2017

Transações informais entre fronteiras, que deixam de lado impostos locais e outras regras, representam até 70% do emprego na África Subsaariana; mulheres compõem maioria de comerciantes informais no continente.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.*

Reduzir o comércio informal entre países africanos pode melhorar a economia no continente, em especial para mulheres. A afirmação é da Organização das nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

A agência recomenda simplificar os requisitos para obter uma licença para abrir um negócio, oferecer incentivos aos que pagam impostos e combater a corrupção.

Regras

Segundo a FAO, o comércio informal entre nações africanas, ou seja, onde não se pagam impostos nem se respeitam outras regras, representa de 20% a 70% do emprego na África Subsaariana.

A informalização é muito comum nas transações agrícolas, e resultado de pouco acesso a serviços do governo, fraco entendimento de leis de importação e alfandegárias.

Informalidade

Um dos principais grupos que podem se beneficiar da formalização do comércio são as mulheres. Elas representam, por exemplo, 70% dos comerciantes na informalidade no sul de África e mais da metade em outras partes do continente.

O economista sénior da FAO e autor do estudo, Suffyan Koroma, declarou que “facilitar o comércio formal é a única opção para o cumprimento da agenda de transformação de África”.

*Apresentação: Eleutério Guevane.

Notícias relacionadas:

Chefes do PMA e da FAO visitam Sudão do Sul

Aiea ajuda a prevenir ébola e outras doenças em África

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud